Mais notícias

quarta-feira, 30 de abril de 2014

SEMINÁRIO - NO CHÃO DA AMAZÔNIA A LUTA CONTRA O TRÁFICO DE PESSOAS


     Programação
     Clique na imagem para ampliar

CONSAGRADAS/OS ENTRAM EM CAMPO NA COPA DE 2014 - COLETIVA DE IMPRENSA EM BRASÍLIA

Clique na imagem para ampliar

Núcleo Manaus em ação - Planejamento das atividades para a Copa 2014



As atividades e sensibilização tiveram início com as formações da Campanha da Fraternidade no Estado.

Dentro da metodologia da CF, ver – julgar e agir, em cada formação, no agir, foi sendo construído junto a Dioceses, prelazias, Setores, áreas missionárias, comunidades, paróquias, grupos, um calendário de atividades incluindo atividades de prevenção ao Tráfico de Pessoas na Copa do Mundo 2014.

Em cada espaço de formação da CF foi apresentado o material da campanha Jogue a favor da vida.

Através do comitê Pró-copa foi possível apresentar e dar visibilidade à campanha para diversas instituições governamentais e não governamentais.
No mês de janeiro foi programado a entrega de ofícios para instituições parceiras, solicitando o apoio na reprodução do material.

AÇÕES:

Lançamento oficial da campanha jogue a favor da vida dia 17.05.2014 no Seminário: No chão da Amazônia, nossa luta contra o Tráfico de Pessoas.

Ação em espaços de muita movimentação: terminal de ônibus 4 e 5.

11.04 - 16 às 18h - terminal 4 Zona Leste de Manaus.

25.04 - 16 às 18h -  terminal 5 Zona leste de Manaus.

04.05 - 16 h às 20h  Praia de Ponta Negra.

13.05 - 05 às 20h Santuário Nossa Senhora Aparecida, com enfoque na exploração sexual, pedofilia, violência contra a mulher e tráfico de pessoas.

Instituições convidadas:

SEJUS (Secretaria dos Direitos Humanos do Estado do Amazonas)
SEAS (Secretária de Assistência Social do Estado do Amazonas).
SPM (Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres).
IACAS – Instituto de atenção a crianças e adolescente.
AMA – Articulação de Mulheres do Amazonas.
Arquidiocese de Manaus. Doação 10.000 folder TP.
Santuário Nossa Senhora Aparecida.

Doação de 30.000  - Folder “caixinha”. Congregação do Santíssimo Redentor.

06.06 - 08h às 12h Porto da CEASA.

10.06 - 15h às 20h Aeroporto Eduardo Gomes.

Em parceira com o município e o estado a rede integrara as equipes móvel de prevenção durante toda a copa nas grandes festas promovidas pela Fifa e nas festas nos bairros, com maior aglomeração de pessoas.

Destaque, presença nos colégios da Rede privada e Pública, com formações mensais para alunos.

Parceria com a Secretaria de Educação do Estado do Amazonas com formações nas sete gerencias do estado, no período de 14 de maio a 28.05 2014. Manhã, tarde e noite.

Divulgação da campanha:

Em Boa Vista – Roraima.
São Gabriel da Cachoeira, Tefé, Autazes, São Paulo de Olivença, Parintins, Manacapuru, Iranduba, Rio Preto da Eva, Presidente Figueiredo, Borba, Novo Aripuanã, Nova Olinda do Norte, Itacoatiara.

Em Tabatinga e Benjamin Constante (três fronteiras: Peru, Colômbia e Brasil) foi feito um planejamento específico da campanha e disponibilizado material, pois é uma grande porta de entrada d e turistas para a copa. Tivemos a parceria da Rede kawsay com confecção de material em espanhol.
Divulgação do material da campanha no Suriname.


27.07 - Avaliação das atividades da campanha.

Apoio para material informativo:

SEJUS (Secretaria dos Direitos Humanos do Estado do Amazonas)
SEAS (Secretária de Assistência Social do Estado do Amazonas)
ICM (Irmãs do Imaculado Coração de Maria).
CRB Nacional, dividido pela região norte.
Arquidiocese de Manaus.
SEGEL (Secretaria - Poraquê – Amazon ação.

Um total de 84.000 unidades.

Disponibilidade da logomarca para as instituições:
Secretaria do turismo do Amazonas.
IACAS – Instituto de atenção a crianças e adolescente.
SEDUC – Secretaria de Educação do Estado do Amazonas.
Arquidiocese de Manaus. 

Adesão em 9.000 camisetas da Campanha da Fraternidade.
___________________________

No dia 15.02, foi realizada uma formação sobre a campanha Jogue a Favor da Vida. Na parte da manhã foi estudado a proposta da campanha e na parte da tarde, construído o calendário de atividades.

O planejamento foi realizado no dia 04 de janeiro de 2014 na sede da CRB. Manaus.
Participação permanente no comitê municipal da pró-copa.

ENCONTRO DE AGENTES MULTIPLICADORES – NA LUTA CONTRA O TRÁFICO DE PESSOAS

C O N V I T E

A Coordenação da REDE UM GRITO PELA VIDA Convida para o ENCONTRO DE AGENTES MULTIPLICADORES – TRÁFICO DE PESSOAS, que será realizado no Juvenato Maria Auxiliadora – Carpina / PE, no período de 02 a  04 de maio de 2014.


PROGRAMAÇÃO:

O evento terá início às 19h30min.

02/05/14  - Abertura
                  - Oração
                  - Palavras do Presidente – Pe. CARLOS ALBERTO – SCJ

                    MEMÓRIA DA REDE
                    Assessora: Ir. Sirleide Cabral

03/05/2014

08h00min - Oração
08h30min -  A MISSÃO PROFÉTICA DA REDE / APROFUNDAMENTO TEOLÓGICO
                      Assessora: Ir. Fátima Cunha

12h00min - Almoço
14h00min - Continuação das atividades.
18h00min - Jantar
19h30min - RECREAÇÃO ANIMADA

 04/05/2014

08h00min - Oração
08h15min - COPA DO MUNDO 2014 (CAMPANHA JOGUE A FAVOR DA VIDA)
                      Assessoras: Ir. Vera Bezerra e Fátima Evangelista

11h00min - Missa

12h00min - Almoço 

HAVERIA OFERTA SE NÃO HOUVESSE UMA PROCURA?

Este ensaio objetiva convidar a leitoras e leitores a aprofundar o que pode significar “A venda da virgindade” de algumas mocas e até indígenas, que está ocupando vários espaços mediáticos nestes últimos tempos em nosso país. “Na cidade que possui a maior população indígena do país, meninas indígenas são exploradas sexualmente e chegam a trocar sua virgindade por doces, frutas e celulares.” (Folha de São Paulo 24/11/12)



A manchete propositalmente escandalística desafia e nos defronta com o corpo das mulheres, de como ele foi visto ao longo dos séculos. “O corpo feminino reina e padece em diversas épocas da história. Território há muito considerado de posse cultivo masculino, "vaso receptor", ora sagrado, ora laico, O corpo das mulheres foi várias vezes identificado por seus mistérios e forças.” (DE MATOS S. Izilda Maria e SOIHET, Rachel, (2003) “O corpo em debate”).

Esta noticia nos obriga a dar um passo a mais no aprofundamento sobre do que está por traz desta “venda”, que até em alguma ocasião como ver mais adiante tomou as dimensões  de “leilão”

Segundo uma postagem do dia 7 de novembro de 2012 titulado:  “Socorro! a menina que leiloou a virgindade é estrela de desfile da Fashion Rio” diz como  ‘A moda apela pesado na hora do marketing e isso não é novidade para ninguém. A mesma indústria que premia meninas anoréxicas (não vamos fingir que não é isso porque é) acaba de dar o prêmio máximo para uma menina que leiloou sua  para conseguir ESPAÇO NA MÍDIA.’

É interessante perguntarmos: Virgindade para quem e para que? As mulheres continuam sendo esse “vaso receptor”, essa posse do masculino que falam as autoras acima nomeadas? Será que “Em meio à transformação dos corpos femininos em espetáculo para homens e terreno de reprodução dominado por eles, como sublinha Michelle Perrot, emerge a mulher sem direitos sobre o próprio corpo, contida, ou quase sem corpo” ou, talvez, as mulheres com um corpo fragmentado, um corpo obrigado a responder a uma procura geralmente masculina dentro de um sistema pornográfico, patriarcal e hegemônico no marco de um capitalismo neoliberal excludente? 

Na perspectiva da exploração sexual dos seres humanos e da chamada ‘indústria sexual’, Richard Poulin no seu artigo: “Quinze teses sobre o Capitalismo e o sistema mundial de prostituição vem reforçar o que estamos falando: “ A prostituição adquiriu um caráter de massa e espalhou-se pelo mundo inteiro, junto da pornografia .As cifras dessas industrias são colossais: estima-se que em 2002, a prostituição gerou lucros de 60 bilhões de euros e a pornografia, 52 bilhões(Dusch, 2002, 109 e 101).”  Isto traz como consequência, a chamada “mercantilização dos corpos”. Ainda mais, nos animaríamos a dizer de algumas partes desse corpo, só aquelas que tem a ver com a sexualidade das mulheres reduzida só a genitalidade.

No marco desta reflexão cabe nos perguntar: Haveria oferta senão houvesse uma procura? Quais são as agências que impulsionam essa procura?. É conhecido por todos/as que estas agencias tem donos, em sua grande maioria homens, que visam o lucro com métodos de exploração cada vez mais sofisticados e desumanos. Ouso afirmar que se está impondo um estereótipo de conquista da fama, da celebridade e do dinheiro imediato sem precedentes.  Para este estereótipo as mulheres, já desde meninas, vão sendo empurradas, “treinadas” e incentivadas das mais diversas maneiras. Nisso o papel relevante pertence ao quarto poder da mídia. Ela é funcional aos objetivos deste sistema capitalista neoliberal. Nesta moldura mundial globalizada, a superprodução pornográfica vai se tornando algo “quase natural” e, ás vezes, é promovida como chance de obter lucros rápidos e conquista dessa fama que se impõe.

Isto pode ser verificado no marco de um fenômeno novo e preocupante que vai de mãos dadas com as questões que citamos acima e que desembocam hoje, no Brasil, no chamado turismo sexual e tráfico de mulheres, crianças e adolescentes para a exploração sexual. “Segundo o Ministério de Turismo aproximadamente 500.000 turistas estrangeiros devem visitar ao Brasil durante a Copa do Mundo e mais dezenas de milhões de pessoas brasileiras devem movimentar-se entre as cidades e a sede.”

Para propiciar ainda mais a reflexão e debate dos (das) leitores (as), vem à tona outro questionamento: colocar à venda e até promover um leilão da virgindade como é o caso de Nina Lemos de Itapema (Santa Catarina) não será mais uma das estratégias absurdas e acirradas para atrair turistas nos megaeventos (Copa 2014 e Jogos Olímpicos 2016) e assim garantir  lucros volumosos com a exploração sexual e econômica dos corpos dos seres humanos e, sobretudo, das mulheres? “Os megaeventos utilizam da mercantilização do corpo da mulher para lucrar com a indústria do sexo e o tráfico de mulheres” (Mariana Cristina Moraes da Cunha Integrante do Fórum Estadual de combate a violência contra a mulher RJ).

Vale salientar que no pacote turístico que as agências turísticas divulgam coloca-se o conjunto: praia, sol e MULHERES BRASILEIRAS como fossem  três fenômenos da natureza brasileira tão rica e disponível. O corpo seminu da mulher é frequentemente dentro desta moldura propagandística dos bens naturais.

 Sem dúvida alguma pensamos que estas provocações e questionamentos podem nos ajudar a ampliar a visão sobre este tema e temáticas afins. Com certeza, refletir sobre isso aguçará nossa consciência crítica. E nos orientará a utilizar chaves essenciais alternativas para desconstruir qualquer tipo de discurso propagandístico. Vale a pena, a cada fenômeno que aparece sempre se perguntar: O que se diz? A partir de onde se diz? Para que e por que se diz? A mídia jamais é ingênua e, por tanto, quem  a recebe deve cuidar-se para não se deixar envolver pela ‘ingenuidade.. O “quarto poder” assume os objetivos e metas claras em tudo e, no que se refere à exploração sexual e econômica dos corpos dos seres humanos, ele é eficientíssimo. Com alto grau de criatividade, provoca e tenta seduzir a cada momento. Daí a necessidade de construir posicionamentos definidos e críticos para não compactuar como com seu projeto desumano que mercantiliza os corpos, sobretudo, das mulheres.

Ingenuidades moralistas e de outro tipo podem levar as pessoas a ‘atirar a primeira pedra’ nas protagonistas que mais aparecem e não ver ou deixar na sombra, as causas primeiras e principais.

Manuela Rodríguez Piñeres



sexta-feira, 25 de abril de 2014

ATÉ OS CORPOS DAS MULHERES VIRARAM MERCADORIA?

Manuela Rodríguez Piñeres
Projeto Antonia- A luta de cada Mulher.
Artigo publicado no Jornal da Rede Oblata do mês de setembro de 2013.

Neste ensaio tenta-se iniciar uma reflexão a partir de alguns questionamentos quanto a este binômio: a exploração dos corpos das mulheres, em confronto com um direito cada vez mais vulnerado neste mundo globalizado: a valorização dos corpos das mulheres em sua integralidade, sem serem somente reduzidos a objetos de consumo, nesta sociedade marcada pelo materialismo  e consumismo.

A partir desta premissa e diante do crescimento com dimensões alarmantes da exploração sexual dos corpos das mulheres nestas últimas décadas, é bom aprofundar quanto aos fatores desse crescimento tentando descobrir até onde os corpos das mulheres são valorizados em sua totalidade sem reducionismos e até onde os corpos das mulheres, são fragmentados e em consequência se transformam só em objeto pornográfico e de exploração sexual respondendo mais a lógica del mercado que uma lógica da humanização.  

 Para avançar mais na reflexão se traz a tona os sinônimos que apresenta o dicionário online do português quanto ao termo exploração. Ele é equivalente a “especulação, abuso, exorbitância no preço de mercadoria, de serviço, de utilidade.”[1] Nesse sentido se podem levantar estas perguntas: Será que os sistemas de exploração e especulação acabam impondo seus parâmetros ficando as mulheres, especialmente as mais empobrecidas e vulneráveis, presas nessa engrenagem perversa e desumana? Será que estes sistemas, como o Capitalismo Neoliberal, hoje globalizado, está abusando e obtendo lucros exorbitantes da venda sistemática dos corpos das mulheres sejam adultas, crianças ou adolescentes? Para dar prosseguimento a estas provocações retomam-se as palavras de Renato Roseno[2] quem frisa que este sistema produz suas crises e logo gera estratégias de índoles diversas para tentar supera-las e mais uma vez com a táctica da EXPLORAÇÃO. Partindo dessa hipótese tem se incrementado o comercio dos corpos dos seres humanos, pretendendo dar soluções desumanas a essa crise que se globaliza sem limites produzindo lucros volumosos sem precedentes. Ousa-se afirmar que essas “soluções” são única e exclusivamente para atingir seus objetivos e traz como consequência a vitimização e exploração de inúmeras pessoas. Ao falar de um sistema que vitima se pode olhar para esta realidade a através da lente dos fatores, dentre outros, sócio econômicos, políticos e culturais. Inclui-se neste último aspecto o patriarcado e o machismo que perpetuam sistemas de exploração sexual e econômica das mulheres alicerçado em um modelo pornográfico e de caráter comercial. Sendo assim “constata-se na história que o corpo tem sido o maior espaço de opressão das mulheres (...) assim como também de outros grupos: indígenas, pessoas negras... [3].

 Essa opressão dos corpos das mulheres tem se constituído no embasamento da “comercialização e industrialização” desses corpos assim como das crianças e adolescentes.. Dizia-se que é outra das consequências da lógica capitalista que chegou ao topo máximo da desumanização transformando tudo em mercadoria, inclusive as pessoas. Nesta perspectiva a dimensão da economia torna-se já não uma forma de administrar a casa e os bens, senão uma “regulamentação da exploração dos seres humanos”, ou seja, a legitimação da chamada “mercantilização dos corpos” configurando uma cultura marcada pelo materialismo e coisificação das pessoas. Quanto a isso se pode suspeitar que emergisse uma espécie de cultura ou subcultura econômica. Nessa cultura, apresenta-se quase como uma exigência a venda e o consumo dos mais variados produtos e sustenta-se nas mesmas regras de mercado: uma oferta e uma procura de dimensões incontroláveis que atinge também a chamada “indústria do sexo”. Citando a cartilha Copa para quem?

  “A fórmula clássica é M — D — M (mercadoria, dinheiro, mercadoria), transformação da mercadoria em dinheiro e retransformação de dinheiro em mercadoria. A fórmula da exploração sexual ficaria assim M – D –M (mulher, dinheiro, mercadoria), transformação da mulher em mercadoria. Nessa fórmula exploração sexual significa atestar que a mulher é uma mercadoria. O capitalismo neoliberal tornou-se o principal motor do desenvolvimento da indústria do sexo, do tráfico de mulheres e de crianças para fins de exploração sexual.”[4]

 Em síntese:

 “A uma economia de mercado corresponde uma sociedade de mercado, com destaque para a expansão da mercantilização em todas as dimensões da vida humana. Isso se dá especialmente com a exploração do corpo das mulheres, desde a indústria da beleza, até o tráfico e a prostituição (...)”[5]

Nesta moldura mundial globalizada, as máfias criminosas que visam à comercialização dos corpos humanos promovem essa “indústria” como chance de para obter lucros rápidos onde “a saia justa” está na medida da exploração acirrada dos corpos de mulheres, crianças e adolescentes. Isto pode agravar-se no Brasil com a realização da Copa 2014 e os Jogos Olímpicos 2016. “Os megaeventos utilizam da mercantilização do corpo da mulher para lucrar com a indústria do sexo e o tráfico de mulheres”[6]
Dando uma passo a mais Richard Poulin faz uma síntese do que se vem refletindo:

 “A globalização da prostituição criou um vasto mercado de trocas sexuais, em que milhões de mulheres e meninas são transformadas em mercadoria de caráter sexual. Esta indústria é atualmente uma grande potencia econômica” [7]

No contexto explicitado anteriormente e a partir da experiência de abordagem as mulheres nos locais de prostituição chama-se a atenção sobre a brecha que existe entre o direito a valorização do corpo das mulheres em sua integralidade e a exploração das mulheres nesses locais construídos por e em função de um mundo materialista, sexista e patriarcal. A respeito disso e para suscitar o avanço no debate resulta interessante, à maneira de conclusão, levantar alguns questionamentos: Uma mulher poderá se apropriar da valorização integral de seu próprio corpo quando rotineiramente se tem que apresentar inúmeras vezes para que os clientes escolherem aquela que mais responde ao foco ou fantasia de sua procura? Porque nestes locais se tem subtraído as mulheres o direito a eleger o cliente com qual desejaria fazer seu programa? Por que elas se têm submeter ao valor padrão do programa, as normas exploratórias e vexatórias impostas pelos exploradores? Por que, nesta lógica do mercado se considera quase “natural” que ser explorada (o) seja um privilégio, e uma decisão livre? Quem decide sobre a venda dos os chamados serviços sexuais: a própria mulher ou os parâmetros impostos por um capitalismo neoliberal, patriarcal, pornográfico e hegemônico que regulamenta e legitima a exploração dos corpos das mulheres?

Em ressumo, porque é de trajetória milenar que as mulheres satisfaçam a procura predominantemente masculina dos chamados serviços sexuais?

A partir de destas perguntas e do surgimento de outras novas continua-se aprofundando sobre um tema desafiador, invisível e constrangedor  para muitos e  muitas e que convida-nos ao compromisso diante desta realidade. Também nos defronta a tomar a atitude e prestar atenção aos nossos próprios comportamentos, conceitos, preconceitos que as vezes sem consciência ou muito pouca, podem reforçar um sistema de exploração sexual dos corpos das mulheres, já sejam crianças ou adolescentes. E continuar legitimando que nesta sociedade tudo, absolutamente tudo, se transforme em mercadoria.

Manuela Rodríguez Piñeres
Projeto Antonia- A luta de cada Mulher.
Artigo publicado no Jornal da Rede Oblata do mês de setembro de 2013.




[1] Dicionário online de Português.
[2] ROSENO, Renato relatório do Encontro da Rede OSR, Belo Horizonte, 2013.
[3] RIBLA N° 25,. CARDOSO PEREIRA, Nancy, Pautas para uma hermenêutica feminista da libertação, pág. 8.
[4] COMITÊ POPULAR DA COPA, Copa para quem[4], Comitê Popular da Copa, São Paulo, 2012.
[5] Documento final do 9° Encontro internacional da Marcha Mundial das Mulheres, ADITAL NOTICIAS, São Paulo, 02/09/13.
[6] MORAES DA CUNHA, Mariana Cristina Integrante do Fórum Estadual de combate a violência contra a mulher RJ.
[7]POULIN, Richard, O caso de amor entre a prostituição e o capitalismo, UNISINOS, 28 DE ABRIL DE 2013.

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Núcleo de Recife em ação - Programação da Campanha Jogue a Favor da Vida

O Regional Recife realizará uma semana com atividades no Lançamento da Campanha Jogue a Favor da Vida.

Dia 11 de maio - 08:00 - Concentração no Parque da Jaqueira no Recife, Missa na Capela Nossa Senhora das Graças (Parque), panfletagem e show;


Dia 14 de maio - 19:00 - Mesa Redonda no Auditório da Faculdade de Filosofia do Recife (FAFIRE) com a presença da Rede Um grito pela Vida,  autoridades policiais, NETP/PE e outros.


Dia 18 de maio - 09:00 - Panfletagem no Marco Zero durante o dia.

FÁTIMA EVANGELISTA
Articuladora - REDE UM GRITO PELA VIDA RECIFE
E falando em Copa
Arena Pernambuco
Esporte sim! 

Mas precisamos também, essencialmente de justiça, saúde e educação para tod@s!
A arena terá 46 mil lugares e estacionamento para seis mil carros. 
Custo: R$ 529,5 milhões

Queremos também + 46 mil leitos + 46 mil vagas em escolas de qualidade! Mais conscientização!

JOGUE A FAVOR DA VIDA - CAMPANHA EM AÇÃO


O Tráfico de Pessoas abre portas para exploração sexual, 

trabalho escravo, remoção de órgãos, adoções irregulares...

DESCONFIE. INFORME-SE. GRITE - DENUNCIE!

SE SOUBESSES...

“Se soubesses irmã quantas lágrimas temos derramado... se soubesses...”
Ó...  que saberemos nós na própria pele da violação desmedida a seus direitos, do excesso planejado de maldade?

Sabemos por que seu coração se abre confiante porque seus olhos
Deixam cair lágrimas de dor e de medo...

Hoje te vi mulher de pele negra,
Com seu rosto tenso, encoberto pela tristeza, presa do terror.
Seus olhos avermelhados derramando lágrimas para dentro
E sua voz como um gemido sussurrando: “Tenho medo, muito medo”.

De fato seu medo é muito real, vem à sua memória imagens de companheiras assassinadas pelo despotismo e inumanidade de quem as explorou.

E sentes as saudades de sua pátria distante,
Da paisagem, de seus filhos e filhas e de algum outro parente...
Lembras-te com angústia das dívidas impostas por mãos opressoras.

Sente-te e é verdade que tem sido explorada, enganada,
Sem esperança do retorno ao sonho que te lançou à “aventura”.
E te perguntas: Será realmente uma aventura?

Tuas aspirações mais legítimas de melhorar a vida
Lançaram-te sem rumo ou talvez ao rumo dos que negociaram
Com sua credibilidade, com sua fé simples e singela,
Com o jeito próprio de sua terra natal.

E chegas ao país de seus sonhos atravessando mares
Debruçando-se sobre obstáculos e removendo escombros,
Acreditando na promessa de um futuro melhor para você e seus filhos,
Para acabar com a dor e a crescente exclusão.

Esta poesia foi escrita por Ir. Manuela Rodríguez Piñeres a partir da experiência de acompanhamento a mulheres dominicanas traficadas que chegavam à Argentina.

terça-feira, 22 de abril de 2014

JOGUE A FAVOR DA VIDA - ESCOLHA UMA CAPA DA CAMPANHA PARA O SEU FACEBOOK

1- Clique aqui e acesse os arquivos.
2- Faça o download da arte que preferir e salve em uma pasta no seu computador.
3- Entre no seu facebook, clique primeiro em "alterar capa"
 e depois em "enviar foto" para localizar o arquivo no seu computador.
4- Selecione a capa e clique em abrir. Pronto!



Modelos de capas de facebook da campanha disponíveis no link:












Uma Seleção de Religiosas entra em campo na Copa de 2014

Por Rosinha Martins  
Elas têm tudo para vencer: trabalham em equipe, adotam estratégias convincentes e são fiéis observadoras das regras do jogo. Com cuidado, pautadas  nas orientações do Técnico por excelência, elas não querem cometer faltas e pretendem ir ao ataque para ganhar de goleada.
Mulheres?! Sim. Elas formam um time muito antes de ser pensada a Copa do Mundo no Brasil. Time formado por mulheres fortes, corajosas e altaneiras. Mulheres mais experientes, veteranas e junioras. Há muito tempo elas treinam no campo da missão, em todas as cidades sede ou não da Copa do Mundo. Elas correm nas estradas, nos becos e nas vielas, fazem a musculação do coração por meio da contemplação do Mistério Divino, pegam os peso da dor  de muitos e muitas, os carregam nos próprios ombros e ganham massa física e espiritual, movidas pela paixão que têm pelo jogo a favor da  vida.  

Com os pés no chão da realidade, de olhos abertos contra os adversários, pautadas nas orientações do Técnico, contidas nas Sagradas Escrituras,  elas pretendem  alcançar a vitória.  Mas com que propósito?  Com um único propósito: a defesa da vida. Mas da vida de quem? Das meninas, adolescentes e adultas, dos homens, tantos, de todas as etnias, crenças e de diferente orientação sexual que são escravizados, impedidos de viver com dignidade, porque as suas vidas geram, ao ano, 32 bilhões de dólares para os traficantes de seres humanos. E as copas mundiais são um "prato cheio" para os traficantes. Você sabia?

São crianças indefesas adotadas ilegalmente e arrancadas do berço familiar para sempre, meninos adolescentes que,  levados para treinos esportivos, se tornam objeto de exploração sexual e escravos de seus aliciadores. Meninas e adolescentes que para obterem um pouco mais de dignidade acreditam nas promessas de realização dos sonhos e  acabam sendo exploradas e escravizadas.   

O jogo não é fácil. Precisa-se de boas e bons jogadores, de homens e mulheres que acreditam que a vida é mais forte que morte, que Ressurreição de Jesus não aconteceu por acaso, mas para dar força aos atletas da Vida e do Reino.

Por enquanto são elas, as mulheres que estão entrando em campo. Precisa-se também de homens, consagrados por causa do Reino, cristãs e cristãos comprometidos que entrem com vontade de vencer  que não tenham medo de sofrer alguma contusão, alguma lesão, algum enfarto durante a partida, por que sabem em quem colocaram a esperança, como diz o apóstolo Paulo.

O time está muito bem preparado, com regras e objetivos claros. Não há limite para o número de jogadores. Todos os que acreditam em Jesus e na sua proposta, de um Reino onde todos tenham o direito de viver com dignidade, onde todos tenham direito à mesa farta e o direito em viver em liberdade são convidados para a partida. Uns como centro-avante, outras/os como ponta de lança,  como  árbitro, outras como goleiras/os, e ainda, como defesa, meio-campo, atacante, lateral direito, lateral esquerdo, zagueiro.  Cada um pode atuar conforme os dons que lhes foram concedidos do alto. O importante é jogar sério e com responsabilidade a favor da vida.

Na arquibancada brasileira, elas contam com uma torcida organizada interessantíssima: Religiosos padres, irmãos e irmãs consagradas, de vida apostólica ou contemplativa: São 13.121 padres diocesanos, 454 bispos, 7.580 padres religiosos consagrados, 2.903 Diáconos, 2.702 irmãos religiosos consagrados, 30.528 religiosas consagradas além dos milhares de católicos que se somam ao todo em território nacional 174.780.000. E tem mais: Toda essa torcida já está preparada física e espiritualmente para entrar em campo a qualquer momento que for preciso. Ou seja, da arquibancada elas contam com a energia, a unidade e as preces de 510.834 torcedores que abraçaram o celibato e a Vida Consagrada e mais 174.269.166 católicos. Dá para imaginar essa torcida num grande e único "olé"  pela vida. Elas tem tudo para vencer.

Núcleo de Natal/RN em ação - Programação da Campanha Jogue a Favor da Vida


ATIVIDADE
DATA
LOCAL
HORA
METODOLOGIA





Coletiva com a imprensa





30/04/2014




Centro pastoral Dom Heitor (Salão paroquial do  subsolo da catedral, Natal/RN)






9h



Exposição da Rede um Grito pela Vida e o  objetivo que pretende alcançar com a Campanha Jogue a Favor da Vida.

A Abertura da Semana “D”, lançamento off-line da Campanha Jogue a Favor da Vida, será dentro da Jornada de Estudos da Faculdade Dom Heitor Sales. Palestra sobre o contexto histórico da Rede, o seu objetivo e o seu compromisso. (Ir. Tállison Ferreira,fsa)






07 e 08/05/2014




Auditório do SESC. Centro de Natal (atrás do Banco do Brasil)







17h




Utilização de slides e texto redigido pelo assessor com base no livro um grito pela vida e outros.

Momento blitz nas principais avenidas de Natal.


13/05/2014

Cruzamento da Romualdo Galvão com a Bernardo Vieira, e Avenida Salgado Filho com o cruzamento da Bernardo Vieira, esquina do Shopping Midway Mall

10h


Panfletagem
Momento blitz nas principais avenidas de Natal.

14/05/2014

Rotatória depois da ponte Newton Navarro 

10h

Entrega de Panfletos.

Momento blitz nas principais avenidas de Natal.


15/05/2014

Av. Eng. Roberto Freira, nas proximidades do Praia Shopping


10h

Entrega de Panfletos.

Momento blitz nas principais avenidas de Natal.

16/05/2014

Orla da praia de Ponta Negra

10h

Entrega de panfletos.
Encerramento da semana: formação e informação paraprofessores

18/05/2014

Centro Pastoral Dom Nivaldo 

14h

Discussão para a realização do  trabalho de enfrentamento ao tráfico pessoas durante a Copa.

PARCERIAS
CRB – NATAL; Arquidiocese de Natal e SEMOB.


OBSERVAÇÃO
Nos dias 13, 15 e 17 de maio estaremos realizando a panfletagem nos
seguintes espaços: Rodoviária, aeroporto e no Shopping Midway Mall. 


Coordenador da Rede um Grito pela Vida, núcleo Natal/RN
Irmão: Tállison Ferreira da Silva,fsa

Projeto Estádio Arena das Dunas em Natal
http://www.copaemnatal.com.br/oprojeto