Mais notícias

segunda-feira, 31 de março de 2014

Painel Público: MULHERES E HOMENS PELA PAZ E CONTRA O TRÁFICO DE MULHERES E A VIOLÊNCIA SEXUAL




Oficina Mulheres e Homens pela Paz e contra o Tráfico de Mulheres e a Violência Sexual

PORTO ALEGRE / RS

A Rede Um Grito pela Vida terá participação na Oficina Mulheres e Homens pela Paz e contra o Tráfico de Mulheres e a Violência Sexual, que será realizada nos dias 2 e 3 de abril próximos (quarta e quinta-feira), no Centro de Eventos do Plaza São Rafael (Av. Alberto Bins, 509, no Centro Histórico).

Trata-se de um evento fechado, para lideranças previamente convidadas. 




PALESTRA ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS E OS DIREITOS HUMANOS



 PROGRAMAÇÃO

18h30min - Recepção

19h - Solenidade de abertura

19h30min - Palestra “Enfrentamento ao trá co de pessoas e os direitos humanos”com Maria do Rosário Nunes | Ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR)

20h30min - Palestra “Trá co de pessoas: A destruição de sonhos e vidas”
com Ir. Eurides Alves de Oliveira da Congregação das Irmãs do Imaculado
Coração de Maria | Coordenadora da Rede Um Grito pela Vida (rede de enfrentamento ao trá co de pessoas vinculada a Conferência dos
Religiosos do Brasil (CRB) e à CNBB)

21h30min - Espaço para debate

21h45min - Encerramento


INFORMAÇÕES

Colégio Madre Bárbara - 51 3714.3341 | SED - 51 3982.1258 | Coordenadoria da Mulher - 51 80413510 | coord.mulher@lajeado.rs.gov.br

terça-feira, 25 de março de 2014

UMA EXPERIÊNCIA DE CRESCER NA LIBERDADE - Diocese de São Gabriel da Cachoeira, AM.

Relato da proposta da Paróquia. São Gabriel Arcanjo, catedral da Diocese de S. Gabriel da Cachoeira- AM.
Por Luis, pe.

Oscar Wilde em um de seus mais conhecidos poemas diz que existe um “amor que não ousa dizer o nome” (1876). Naquele contexto, não se ousava dizer uma série de coisas e tudo o que era dito, passava pelo crivo da moral e dos bons costumes.
 Lembrei-me disso quando nos sentamos enquanto Conselho de Pastoral Paroquial para preparar as ações relativas à CF 2014. Nesse grupo estavam os leigos e leigas que haviam participado do Curso proposto pela Ir. Roselei e o Pe. Alcimar (ambos de Manaus).
 Depois de feita uma série de ponderações uma das leigas disse: “padre, não tem nada que possamos fazer que não envolva denunciar?”. E uma outra logo emendou: “é que aqui, assim como em muitos lugares do Amazonas, o trabalho das pessoas estão ligados à administração pública e, quando se faz qualquer tipo de denúncia ou se toma algum tipo de partido, sempre sofrem conseqüências”.
                Para mim esse dado além de novo, me fazia repensar uma série de situações e de propor algo que pudesse ser fiel ao espírito da CF mas também, que desse um sentimento de proteção a essas pessoas.
                Foi aí que nos dispusemos a pensar em possíveis atividades, das quais seguem um breve relato para partilha com os demais sonhadores de um mundo novo...

ABERTURA E LANÇAMENTO DA CF:
Na sexta- feira seguinte ao início da quaresma, marcamos como ponto de encontro o Ginásio Municipal Arnaldo Coimbra, às 17h30. Foi feito convite nas missas e cada pastoral tratou de motivar seus membros para estar conosco nesse ato que seria o marco inicial da caminhada quaresmal.
Cada participante foi convidado a trazer uma vela e uma mordaça. A ideia era bastante simples e desafiadora: durante uma hora e meia. Os que viessem seriam distribuídos em 5 grupos que deveriam andar pela cidade com uma cruz marcada com um dos tipos de tráfico (pessoas, trabalho escravo, de órgãos, etc) e com a boca amordaçada e a vela acesa, apenas entregar um panfleto que pudesse, em poucas palavras, dizer a urgência do tema e a importância do mesmo.

Começamos nossa caminhada com 115 pessoas e aos poucos chegam mais pessoas.

Depois de mais de uma hora caminhando, o grupo escolhia um lugar para plantar a sua cruz, tirar as mordaças e rezar juntos.
Depois disso cada grupo se dirigia par a comunidade Boa Esperança para partilhar a caminhada com os demais e juntos, rezarmos a eucaristia. Os poucos íamos agregando mais pessoas. 

 VARAL DA REALIDADE:
  Também achamos que seria um bom momento para envolver as pastorais na busca de informações a respeito do tema e do exercício de passar adiante.
  No hall de entrada da Igreja Catedral fizemos um varal e dividimos por final de semana para  cada pastoral cuidar de expor nesse varal informações conseguidas a partir do material da CF 2014 e em outras fontes que pudessem orientar os fieis para o tema.
   Também aqui nos surpreendeu a criatividade das pastorais: fizeram pequenas peças de roupa e pregaram em cada uma delas as informações sob a alegação de que estava na hora de lavar a roupa suja...

DINÂMICA DA LITURGIA:
 Pensamos numa grande cela colocada num dos cantos do presbitério. Na quarta- feira de cinzas foi apresentado os tipos de tráfico que devemos denunciar e combater e posto do lado de fora da cela esses cartazes

Dentro estavam pássaros feitos de papel e em diferentes tamanhos com uma vela acesa que é posta a cada celebração.
Após a homilia, a pessoa que está dentro da cela sai de lá com um dos pássaros nas mãos e atravessa a igreja pelo corredor central enquanto o grupo de música entoa o refrão do Hino da CF 2014.
Na porta da igreja, junto ao varal da realidade, está uma cruz posta num grande galho seco. O pássaro é ali dependurado e a equipe de acolhida se responsabiliza de lembrar a quem chega ou sai, de que a liberdade dada em Cristo é um bem precioso, para todos.

Gratidão a comunidade de São Gabriel da Cachoeira, AM, pelo testemunho e coragem no rompimento do silencio de tantos crimes naquela região, principalmente a violação da vida de tantas meninas vítimas da exploração sexual.

Atividades do Núcleo da Rede Um Grito pela Vida de Curitiba/PR


O núcleo da Rede Um Grito pela Vida de Curitiba/PR esteve reunido no dia 19/03/14  para avaliar, programar e preparar as atividades ligadas à CF/2014.




O núcleo da Rede Um Grito pela Vida de Curitiba/PR juntamente com a Arquidiocese e o Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico, no dia 05/03/14 esteve na Praça Tiradentes para panfletar e conversar com as pessoas sobre o tema em questão.



O núcleo da Rede Um Grito pela Vida de Curitiba/PR juntamente com a Arquidiocese e o Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico, no dia 14/03/14 numa “Blitz” no aeroporto internacional de Curitiba para panfletagem e conscientização. 



segunda-feira, 24 de março de 2014

Pastoral do Menor entra em campo!


A Pastoral do Menor no Brasil, que tem como missão promover e defender a vida da criança e do adolescente empobrecido e em situação de risco, desrespeitados em seus direitos fundamentaisdecidiu aderir a ” Campanha Jogue a favor da vida”.

Nos dias de 21 a 23de março de 2014 houve a reunião do Conselho Nacional da Pastoral do Menor em Belo Horizontecom a participação de coordenadores de todos os regionais que dedicaram o tempo e a sua atenção para conhecer os objetivos da Campanha lançada pelos Religiosos e Religiosas no Brasil. Ir. Bárbara HalinaFurgal–fmm,articuladora da Campanha na Região Sudeste apresentou os objetivos e os materiais que serão usados nas diversas ações planejadas pelos núcleos da Rede “Um grito pela vida”. Foram disponibilizados os contatos dos articuladores da Campanha em diversas regiões do Brasil.


Juntos somos mais!



domingo, 23 de março de 2014

Manual – Jogo “Escravo, nem pensar!”

Jogo ENP!

Ano de publicação: 2013

O jogo de tabuleiro Escravo, nem pensar! tem como objetivo difundir a luta para a erradicação do trabalho escravo e engajar o público infanto-juvenil nessa temática, por meio de uma abordagem lúdica e criativa. O manual do jogo apresenta componentes e regras, com exemplos de jogadas.
O material será distribuído gratuitamente para professores e educadores sociais. O destinatário arca apenas com uma taxa de R$30,00 referente ao envio do material. Os interessados que residem em São Paulo, podem retirar o jogo no escritório do programa.
Para adquirir seu exemplar, entre em contato com a equipe do programa:escravonempensar@reporterbrasil.org.br.

Fonte: http://www.escravonempensar.org.br/biblioteca/manual-jogo-escravo-nem-pensar/

Repórter Brasil localiza na Bolívia um dos trabalhadores que dono de confecção tentou “vender” no Brás, em São Paulo. “Minha vida aqui é melhor que no Brasil”, afirmou.

‘Se não conhecíamos nada da cidade e da língua, fugiríamos para onde?’, diz imigrante vítima de tráfico de pessoas
A reportagem é de Maurício Hashizume e publicado pela Agência Repórter Brasil, 27-02-2014.
A história dos dois imigrantes bolivianos que estavam sendo “vendidos” no centro da maior cidade do Brasil, em pleno domingo (9 de fevereiro), teria sido outra não fosse a solidariedade de pessoas que decidiram acionar as forças policiais diante do tipo bizarro de “comércio” que transcorria em via pública.
Enquanto os dois homens aguardavam pacientemente o dono da confecção para a qual trabalhavam em Cabreúva (SP), no interior paulista, tentar concluir o referido “negócio” estipulado em R$ 1 mil por cada um, a Polícia Militar foi chamada. Segundo relato de testemunhas à imprensa, os trabalhadores estrangeiros acabaram sendo revistados, enquanto o patrão, também boliviano, aproveitou para fugir do local.
Em Sucre, na Bolívia, a Repórter Brasil conseguiu encontrar um dos trabalhadores, que, mesmo receoso e ainda impactado, deu o seu testemunho acerca do ocorrido. “Se não acontecesse o que aconteceu, nós continuaríamos dependentes do dono da oficina. Não teríamos feito nada por iniciativa própria. Não conhecemos nenhuma rua da cidade e não falamos português. Você acha que nós fugiríamos para onde?”
 Segundo esse ex-imigrante, que prefere manter a sua identidade anônima, os dois, que são primos, foram convencidos a trabalhar no Brasil por meio de um conhecido, que chegou a citar ganhos mensais de cerca de US$ 500. Um deles, o mais velho, de 21 anos, trabalhava como pedreiro em Sucre, capital constitucional da Bolívia, e a oportunidade de trabalho lhe pareceu interessante. A decisão de seguir ao país vizinho foi tomada junto com o mais novo, de 19 anos.

Brasil e Argentina assinam acordo para combater o tráfico de pessoas

Países farão campanhas de conscientização em massa, pesquisas e outras ações de enfrentamento deste crime. Pacto amplia atuação internacional brasileira

Brasília, 19/03/2014 – Brasil e Argentina assinaram acordo para reforçar a coordenação e a cooperação conjunta na prevenção do crime de tráfico de pessoas. O documento assinado pelos representantes dos dois países, o secretário Nacional de Justiça do Ministério da Justiça (SNJ/MJ), Paulo Abrão, e o procurador-geral do governo argentino, Julian Alvarez, prevê que os Estados cooperem um com outro para realização de campanhas de conscientização em massa, pesquisas e outras ferramentas.
"O acordo com a Argentina amplia ainda mais a nossa articulação internacional, ao passo que reforça nossa ação prioritária na região de fronteiras. O intercâmbio de informações oficiais e precisas com outros países qualifica a nossa capacidade de ação interna por meio da rede nacional de enfrentamento ao tráfico de pessoas", explicou Abrão.
"A Argentina tem percorrido um longo caminho na luta contra o tráfico de pessoas. Desde a promulgação da lei 26.364, em abril de 2008, o governo da Argentina, juntamente com as forças de segurança federais, resgatou 6.339 vítimas de exploração laboral e sexual", relatou Alvarez.
O procurador-geral argentino disse ainda que "o acordo com o Brasil é o início de uma nova era de trabalho conjunto, que irá melhorar as estratégias de prevenção e de intercâmbio de informações para investigações criminais".

Ministério da Justiça
Curta facebook.com/JusticaGovBr

www.justica.gov.br
imprensa@mj.gov.br
(61) 2025-3135/3315

Fonte: http://www.justica.gov.br/portal/argentina-e-brasil-assinam-acordo-para-combater-o-trafico-de-pessoas.htm

Seminário de capacitação de multiplicadores para atuar na CF/2014

Com o tema Trafico Humano e suas implicações para a nossa pratica Evangelizadora, no dia 22/03, no salão da Igreja Pompeia em Porto Alegre, aconteceu o seminário de capacitação de multiplicadores para atuar na CF/2014, no enfrentamento ao Trafico Humano. Participaram 150 pessoas, religiosos, sacerdotes, agentes de pastoral, educadores/as, de várias regiões do Estado. Foi um momento muito rico de estudo, reflexão e projeção da luta pela Erradicação desta triste e cruel, que destrói vidas e sonhos de milhares de pessoas, em nosso mundo, País, estado e cidades.

Dentre as ações projetadas pelos grupos de trabalho estão a consciência de seguir investindo no trabalho de prevenção num mutirão de informação e conscientização, ampliar o trabalho em rede e a prática da denúncia.

(Ir. Eurides Alves de Oliveira)





Cartão Vermelho para a Copa #COPApraQUEM?

sábado, 22 de março de 2014

Novo núcleo da Rede Um Grito pela Vida, Rio Branco (AC)

Nos dias 22 e 23 de março, em Rio Branco (AC) o núcleo da Conferência dos religiosos e religiosas do Brasil se reuniu para aprofundar e estudar a temática do tráfico de pessoas, no contexto do noroeste do Brasil. Objetivo do encontro é reunir e organizar o Núcleo da Rede Um Grito pela Vida no Estado do Acre. O encontro foi assessorado por ir. Gabriella Bottani, da coordenação nacional da Rede Um Grito pela Vida.

quarta-feira, 19 de março de 2014

A nossa marca é vitória do Brasil



Letra: Patrícia Duque
Música: Ir. Maria Eunice C de Carvalho - RSF

O BRASIL VAI SEDIAR A COPA

E NESSE TIME NÓS TAMBÉM VAMOS JOGAR.

VENHA TAMBÉM E ENTRE NESSA TROPA

COM TODOS JUNTOS FICA FÁCIL GANHAR!

JOGUE A FAVOR DA VIDA,

NESSA PARTIDA A LIBERDADE É COISA BOA,

DEFENDER QUEM NECESSITA!

DENUNCIE O TRÁFICO DE PESSOAS (BIS)

A NOSSA UNIÃO É COLORIDA PELAS MÃOS

LUTANDO E DEFENDENDO NOSSA LINDA NAÇÃO

BOLA NA REDE, SEREMOS MAIS DE MIL

A NOSSA MARCA É A VITÓRIA DO BRASIL!

A Rede Um Grito pela Vida é a nossa seleção!


https://www.facebook.com/jogueafavordavida

Tráfico de pessoas: a indiferença, o fetichismo do dinheiro e o prazer ambivalente



Por Marcos Vinícios de Araujo Vieira
Adital


Neste ano, a CNBB escolheu como tema da Campanha da Fraternidade a silenciosa, porém gravíssima e desafiante, questão do tráfico de pessoas. O lema, que faz alusão à Carta de Paulo dirigida à comunidade dos Gálatas, chama a atenção para a vocação humana para a liberdade: "É para a liberdade que Cristo nos libertou". A relação entre o tema da Campanha e seu lema é eloquente: o tráfico de pessoas constitui umas das versões modernas de escravidão.

Apesar da seriedade da questão, o tráfico de pessoas é ainda tema pouco conhecido e debatido na sociedade brasileira. É verdade que, em 2013, a Rede Globo trouxe à tona, em novela, a situação de mulheres brasileiras no exterior, vítimas do tráfico de pessoas para fins de exploração sexual. Do mesmo modo, em 2006, o Governo Federal lançou Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, por meio do Decreto nº 5.948, de 26 de outubro, como ponto de partida para o enfrentamento dessa prática criminosa. Apesar disso, ainda prevalece na população certa ingenuidade a respeito não somente das raízes dessa chaga social, como também das formas de erradicá-la. Seguramente, uma das principais razões disso é a indiferença em torno do assunto.

Nessa matéria, superar a indiferença é importante, porém insuficiente. Tampouco bastam campanhas de informação. Nessa Quaresma, tempo de conversão, somos convidados a ir mais longe. É urgente meditarmos sobre o tráfico de pessoas como pecado social, que nos desumaniza a todos e crucifica milhões de pessoas, bem como refletirmos sobre as causas desse esquema criminoso, tendo sempre em vista uma ação pastoral que vise à sua erradicação.

Clique aqui e continue lendo.

Líderes religiosos pedem o fim da escravidão e do tráfico humano


ESCRITO POR CRB COMUNICAÇÃO LIGADO . PUBLICADO EM DESTAQUE


Acordo feito entre Líderes religiosos, nesta segunda, 17, no Vaticano pretende erradicar a escravatura moderna e o Tráfico de Pessoas até 2020
 Por Rosinha Martins |18.03.14| Líderes religiosos se reuniram nesta segunda, 17, na sala de Imprensa do Vaticano com o obejtivo se assinarem um memorando que formaliza o projeto da Rede Global da Liberdade, ação interreligiosa que pretende erradicar o tráfico de seres humanos e a escravidão moderna no mundo.
Participaram da cessão, o representante da Santa Sé e chanceler das Pontifícias Academias das Ciências e das Ciências Sociais, Dom Marcelo Sánchez Sorondo; o representante do grande  Imã da Universidade de Al-Azhar, no Cairo, Egito, Mahmoud Azab; o representante do Arcebispo de Cantuária Justin Welby, o anglicano David John Moxon; o australiano fundador da Walk Free Foundation Andrew Forrest, o presidente do Pontifício Conselho da Justiça e da Paz, Cardeal Peter Kodwo Appiah Turkson e o Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, padre Federico Lombardi.
O cardeal Sorondo recordou as  palavras do  Papa Francisco a respeito do tema quando lembrou que “essas novas formas de escravidão, o tráfico humano e a prostituição são um crime contra a humanidade”. 
Para o fundador da Walk Free Foundation acordo desta natureza não tem precedentes no mundo. “É um dia histórico”, exclamou.
“A escravidão moderna e o tráfico de pessoas são um dos maiores escândalos e uma das maiores tragédias do nosso tempo. É intolerável que milhões de nossos irmãos sofram violações desse tipo, sujeitos a exploração e privados de sua dignidade e seus direitos. Esse ultraje deve tocar cada um de nós, porque o que afeta uma parte da humanidade afeta a todos. De alguma forma, cada parte do mundo é atingida pela crueldade e pela violência associada a essa atividade criminosa”, relatou o anglicano David John Moxon (à direita).

Frente Parlamentar e CNBB promovem audiência pública sobre o tráfico humano



“Temos abordado o tema a partir da Frente Parlamentar, já que grande parte dos casos de tráfico de pessoas começa com um desaparecimento. Como a Campanha da Fraternidade deste ano também trabalha esta temática, estabelecer esta parceria agrega muito e fortalece o trabalho”, destaca o coordenador da Frente.

segunda-feira, 17 de março de 2014

Encuentro de la Confederación Latinoamericana y Caribeña de Religiosas y Religiosos CLAR

“Escuchemos a Dios donde la vida clama” 

Comisión Trata – CLAR

II Encuentro Articulador de Redes 
Bogotá- Colombia, 7-9 marzo 2014 


“No es posible quedarnos impasibles, sabiendo que existen seres humanos tratados como mercancía! Piénsese en adopciones de 
niños para remoción de órganos, en mujeres engañadas y obligadas a prostituirse, en trabajadores explotados, sin derecho, ni 
voz… Eso es tráfico humano” (Mensaje del Papa Francisco para la “Campanha da fraternidade 2014”, Brasil) 

Durante los días 7 al 9 de marzo del 2014, en Bogotá, Colombia, nos reunimos representantes de las Redes de la Vida Consagrada 
comprometidas en el enfrentamiento a la Trata de Personas en América Latina y el Caribe: Um grito pela vida, Kawsay y RAMÁ. 

El objetivo de este Encuentro fue: “Conocer e interiorizar cada vez más el camino y la proyección de las tres Redes de la Vida 
Consagrada que trabajan el tema de la Trata de personas en América Latina y el Caribe para fortalecer procesos colectivos y 
programar las acciones que desarrollará la Comisión Trata-CLAR”. 

El primer paso fue definir la identidad del equipo y su función articuladora, para favorecer el dinamismo del trabajo en Red. 
Confirmamos la necesidad de que cada Red ligada a las Conferencias, esté representada en el equipo, por dos personas, más una 
persona representando a la CLAR. 

A partir de un discernimiento sobre las realidades regionales acordamos priorizar cuatro puntos para el período 2014-2015: 
Sensibilización, Formación, Articulación y Fronteras. 

Compartimos algunas de las acciones programadas para el bienio: 

Sensibilización: producción de material para fechas significativas para ser divulgado en las Conferencias Nacionales y las 
Congregaciones; producción de un video institucional que muestre las actividades de las Redes. 

quarta-feira, 12 de março de 2014

Campanha da Fraternidade em Natal (RN)

Hoje, na cidade de Natal, aconteceu a abertura da Campanha da Fraternidade (CF) em um bairro periférico da cidade onde desapareceram 5 crianças de 1998 a 2001, e nunca se soube nada a respeito delas. Foi uma bela celebração com a presença das famílias destas crianças. A esperança continua viva.

No próximo domingo acontecerá a reunião do núcleo e o tema será sobre a CF.

Continuaremos unidas nesta luta desafiadora e profética.
Elizete, scim (Referência - Núcleo da Rede Um Grito Pela Vida em Natal - RN)

Entre em campo contra o tráfico de pessoas

INFORMAÇÃO E DENÚNCIA TAMBÉM EM SUAS MÃOS.
Junte-se ao time que joga a favor da vida. 
Acesse o facebook da campanha: Jogue a favor da Vida


Ministério do Trabalho interdita confecção em SP acusada de trabalho "escravo"

  • Jorge Araujo/Folhapress
    Revista na confecção encontra peruanos em regime de trabalho análogo à escravidão
    Revista na confecção encontra peruanos em regime de trabalho análogo à escravidão
Na tarde de sexta, 7, o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) interditou uma confecção no bairro Cangaíba, zona leste de São Paulo, após constatar que peruanos trabalhavam mais de 14 horas por dia sem descanso semanal. 
A empresa SNP Moruco ME mantinha vigilância por câmeras e os documentos dos trabalhadores estavam retidos pelos donos, que também eram peruanos. 
O MTE recebeu a denúncia através da Secretaria de Justiça e Defesa da Cidadania, que por sua vez foi avisado pelo Consulado do Peru em São Paulo. Um funcionário da confecção teria fugido do local e denunciado a confecção. 

Tráfico de pessoas - O perigo se disfarça de oportunidade


TRÁFICO DE PESSOAS: nos últimos 15 anos, apenas 5 casos foram julgados no Ceará

Crime é considerado um dos mais invisíveis e complexos de se investigar. Falta de conhecimento da sociedade sobre o assunto e frequente recusa das vítimas em cooperar são dois dos fatores responsáveis. A Campanha da Fraternidade deste ano alerta para o problema e investe na prevenção.
   Em 1998, a cearense Silvania Cleide Barros Vasconcelos foi condenada pela Justiça Federal a quatro anos de reclusão por traficar mulheres para o estrangeiro. No inquérito, duas vítimas relatam como foram abordadas por ela na Beira Mar, em Fortaleza, e receberam convites para trabalharem como garçonetes no restaurante de seu suposto marido em Paris. As duas fortalezenses viajaram juntas, com todas as despesas pagas por Silvania, incluídos os custos com a emissão dos passaportes e passagens áreas. Mas quando chegaram à capital francesa, foram encaminhadas a uma casa de prostituição em Tel-Aviv, Israel. A fuga de uma das mulheres foi o que revelou o esquema.

   A cearense foi condenada. No entanto, outras dificuldades na investigação, incluindo até a escassez de tradutores no Ceará da língua hebráica, inviabilizaram a condenação dos estrangeiros envolvidos no crime, a exemplo do suposto marido de Silvania, um israelense que trabalhava como segurança na casa de prostituição em Tel-Aviv e que teve seu crime prescrito em 2009.
   De 1998 pra cá, apenas outros 4 casos foram julgados pela Justiça Federal no estado, todos com características parecidas de aliciamento e exploração sexual em território estrangeiro.
RafaelSalvador - ESPLAR 2- Boletim Copa e as mulheres - InfográficoInfográfico retirado do informativo "Copa 2014 - O que as mulheres têm a ver com isso?", do ESPLAR (arte: Rafael Salvador) 
 “É um número baixo”, constata Nilce Cunha, procuradora da República no Ceará e integrante do Comitê Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. “Todo mundo sabe que existe, mas não dá processo porque não têm informações consistentes, não tem aquela denúncia formal com dados suficientes pra polícia investigar e apurar. Sempre se atribui isso à falta de informação. A rede de enfretamento, que é composta pelos órgão públicos e sociedade civil, dá informações de que existem moças, mulheres, trans(sexuais), na ilusão de que vão conseguir ganhar muito dinheiro e ninguém sabe o que acontece com elas lá. Mas não existindo as denúncias, não existe processo.”

domingo, 9 de março de 2014

Igreja e Estado se dão as mãos quando o assunto é ‘ser humano’


ESCRITO POR CRB COMUNICAÇÃO LIGADO . PUBLICADO EM DESTAQUE


 Lançamento da CF 2014  confirma unidade entre Igreja e Estado no combate ao Tráfico de Seres Humanos que gera cerca de 32 bilhões de dólares ao ano e dizima milhares de famílias brasileiras. 
Por Rosinha Martins| 06.03.14| Crime sutil e de difícil combate o Tráfico de Pessoas tem sensibilizado a Igreja e a sociedade que juntas buscam formas eficazes de enfrentamento. Uma Coletiva de Imprensa na sede da Conferência Nacional dos Bispos Brasil (CNBB), lançou na tarde desta quarta, 5, em Brasília, a Campanha da Fraternidade, que tem como tema o Tráfico de Seres Humanos. O evento reuniu membros da Igreja e do governo, tais como o secretário Geral da CNBB, dom Leonardo Steiner, o Ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, a Secretária Executiva do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC), a pastora Romi Márcia Bencke, além do Dr. Marcello Lavènere Machado, representante do Conselho Nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).
“O Tráfico humano é o cerceamento da liberdade e o desprezo da dignidade dos filhos e filhas de Deus. A Campanha tem como objeto identificar as práticas de tráfico humano em suas várias formas e denunciar a violação da liberdade e da liberdade humana”, disse dom Leonardo Steiner. Segundo o bispo, “o tráfico viola a grandeza de filhos e filhas, destrói a imagem de Deus, cerceia a liberdade dos que foram resgatados por Cristo. A sociedade, o Estado, as comunidades, as famílias, as pessoas certamente despertarão da 'globalização da indiferença' em relação ao tráfico humano. Para dom Leonardo, é estarrecedor o aumenta cada vez mais o tráfico de homens para o uso sexual”.
Dom Leonardo destacou, ainda, que as consequências mais fortes do Tráfico Humano são o trabalho escravo, a mercadoria sexual e trabalhos forçados em pequenas fábricas.
O secretário agradeceu a presença do presidente Nacional da Conferência dos Religiosos do Brasil, Irmão Paulo Petry e frisou que é de fundamental importância  trabalho que as Religiosas e Religiosos realizam no combate ao Tráfico de Pessoas.
Presente no evento, Irmão Paulo Petry convidou os Consagrados e Consagradas a reforçarem a Rede Um Grito pela Vida e destacou a importância da atuação masculina na luta pela prevenção dos tráfico. “Esperamos que a Vida Religiosa masculina se envolva com a Campanha porque como acenou dom Leonardo, o tráfico não é uma problemática que envolve somente mulheres”. Para Irmão Paulo é importante que a Vida Religiosa trabalhe em parceria e se familiarize com o texto-base da CF, a fim de não fazer denúncia na base de achismos e para se sensibilizar com a situação de famílias que têm filhos e filhas nessa situação. “Ás vezes se instaura o medo no coração dos religiosos e não queremos fazer a denúncia quando necessária. Que não tenhamos medo”, concluiu.
A secretária Executiva do CONIC, a pastora Romi Márcia Bencke, disse que é preciso falar de maneira bastante aberta sobre um tema tão complexo como o tráfico de pessoas, pois envolve grupos econômicos e sociais. “Somos desafiados a refletir de maneira honesta e franca sobre a maneira como estabelecemos as nossas relações com a sociedade, com a economia, com o trabalho, as formas como estabelecemos as relações de poder. O lema bíblico é um estimulador interessante para a reflexão: de que liberdade estamos falando? De uma liberdade com responsabilidade e garantir que todos tenham direito à vida digna”, afirmou.
A Pastora disse, também, que Igrejas Evangélicas planejam várias ações durante a Copa do Mundo oferecendo suporte espiritual e de combate à exploração nas cidades-sedes do evento.
O Ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, informou que o governo federal já desenvolve uma série de iniciativas que envolve a Polícia Federal, a Secretaria de Direitos Humanos, Secretaria de Direitos das Mulheres, entre outros. “Todos nós temos atuado seja num conjunto de ações policiais integradas, seja num conjunto de denúncias e agora temos essa oportunidade de junção de forças concentradas através da Campanha da Fraternidade”, observou o Ministro.
Segundo Cardoso, a Campanha da Fraternidade favorecerá a formação de um comitê que atuará na busca do aprimoramento das políticas do Estado, receber sugestões e ao mesmo tempo enraizar atuações na sociedade. “É a nossa grande meta contra um crime que tem que ser combatido com o máximo de rigor”, justificou.
O Ministro afirmou,  também,  que os inquéritos abertos sobre o tráfico de seres humanos ainda é pequeno e o crime não é combatido por não vir à tona. “As vítimas têm vergonha de falar, os familiares não denunciam e às vezes as pessoas imaginam ser ajudadas por aqueles que são verdadeiros mentores e organizadores do delito. Precisamos conscientizar a sociedade que esse tipo de situação é inaceitável, que seres humanos não podem ser tratados como objetos e, portanto, o estado e a sociedade precisam enfrentá-lo cada vez com mais rigor”, finalizou.
Para o representante do Conselho Nacional da OAB, Dr. Marcello Lavènere Machado, a sociedade brasileira tem uma dívida com os africanos pelo período da escravidão e pelas consequências deste tráfico desumano que ainda ecoa no cotidiano dos negros no Brasil. “Devemos aos nossos irmãos africanos um pedido de perdão por tudo o quanto esse período significou e ainda hoje de alguma forma significa”. Para ele, sistemas de escravidão no Brasil, são verdadeiros campos de concentração. “São campos de concentração todas as nossas penitenciárias, por exemplo. Em cada cidade desse país temos um campo de concentração que atinge os mais vulneráveis e entre eles estão os nossos irmãos africanos”, argumentou.
Lavènere informou ainda que em todos os estados da Federação as Comissões de Direitos Humanos da OAB desenvolvem ações com a finalidade de ajudar a sociedade na denúncia de qualquer tipo de escravidão ou exploração de pessoas.
A Constituição Federal, em vigor deste 1988, assegura a relação de parceria, de aliança entre a Igreja e o Estado, quando se trata de colaboração em vista do interesse público.
Segundo Dr. Marcello Lavènere Machado, a Igreja exerce um papel fundamental e decisivo na história da sociedade brasileira. “A CNBB como órgão representativo da Igreja tem dado uma ajuda muito grande, assim como na ditatura militar que contou com a presença ativa de dom Paulo Arns e a Campanha ‘fora Collor’ pelo impeachment”, recordou.
Lavènere acrescentou que “o êxito da promulgação da lei 9840 contra o abuso de autoridade e a influência do poder econômico nas eleições, a coleta das assinaturas nas paróquias, recomendada pela CNBB que produziu um milhão e trezentas mil assinaturas e favoreceu a aprovação da Lei da Ficha Limpa”,  se deve à atuação maciça da Igreja que atinge lugares onde o Estado muitas vezes não consegue chegar.
O papa Francisco enviou mensagem por ocasião da abertura da Campanha no Brasil. O texto foi lido pelo secretário executivo da CF 2014, padre Luiz Carlos Dias. Confira aqui, a íntegra da mensagem do papa.
Fonte: CRB Nacional
Fonte: http://www.crbnacional.org.br/site/index.php/noticias/destaque/1148-igreja-e-estado-se-dao-as-maos-quando-o-assunto-e-ser-humano

Contatos atualizados da Rede


sábado, 8 de março de 2014

II Encontro das articuladoras das redes nacionais de enfrentamento ao tráfico de pessoas

A Conferência da Vida Religiosa na America Latina (CLAR) realiza o II encontro com as articuladoras das

redes nacionais de enfrentamento ao tráfico de pessoas na America Latina e Caribe, em Bogotá (Colômbia) nos dias de 7 a 9 de março de 2014.
Participam as articuladoras da Rede Um Grito pela Vida - Brasil, Ir. Eurides Alves de Oliveira, ICM e ir. Gabriella Bottani, IMC; de Red kawsay, Ir. Maria Silvia Olivera, SSM (Argentina) e ir. Matilde Isabel Chávez Figueroa, RBP (Perú);  Red Ramá, Países do Centro America, H. Carmen Gibja Izquierdo, SAC; pela CLAR ir. Mirta Vissani, HdC secretaria responsável pela comissão “Trata CLAR”.
O encontro tem o objetivo de conhecer e aprofundar o caminho das três redes da Vida Religiosa Consagrada no enfrentamento ao tráfico de pessoas na America Latina e Caribe, visando o fortalecimento de processos coletivos e programação de ações de conjunto.
O primeiro dia foi marcado por uma rica partilha da preparação previa, que teve a finalidade de elencar problemáticas convergentes, assim como pistas de ação comum para avançar na missão de enfrentamento ao tráfico de pessoas. Contamos ainda com a explanação de uma representante da Organização Internacional das Migrações (OIM) Colômbia, sobre migração e fronteiras.
Nos próximos dois dias de encontro seguirá o trabalho de discernimento e sistematização para chegarmos a parâmetros comuns sobre a identidade e missão desta comissão articuladora das redes do continente e a um planejamento comum. Tudo isto fundamentado pela mística do ícone de Betânia Casa do encontro, comunidade de amor e coração da humanidade. 

Mensagem - Dia Internacional da Mulher

“Pensar é preciso para que o grito possa ser ouvido com mais acuidade e responsabilidade comum para que a vida seja mais intensa e eficaz” 
(Ivone Gebara)

Queridas companheiras,

Desde Bogotá, neste 8 de março,  nos unimos para celebrarmos juntas a luta, a ousadia e as conquistas que nós mulheres construímos ao longo da história. Fazemos memória da nuvem de testemunhas de todas aquelas que pela vida, dignidade e liberdade da mulher não mediram esforços e doaram suas vidas. Unimos-nos a todas as que continuam em todos os continentes nos diversos campos de atuação social, política, religiosas e econômica, comprometidas com processo de libertação e transformação da realidade e das relações de desigualdade de gênero.


Que esta comunhão e celebração nos recorde e fortaleça na luta para enfrentar o tráfico de pessoas, que nos dias de hoje vitimiza e escraviza majoritariamente mulheres.

Que nossa rede possa continuar tecendo com ternura e firmeza a defesa da vida e da dignidade das mulheres.

Abraços
Pela coordenação Eurides e Gabriella