Mais notícias

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

A Rede Um Grito Pela Vida - Cachoeira do Itapemirim.

O dia 23 de setembro  na cidade de Cachoeira de Itapemirim a Rede realizou um dia na praça, foi muito bonito  e marcou o comprometido e solidariedade com nossos irmãos e irmãs indefesos que passam por está triste realidade do tráfico de pessoas.
A Rede um Grito pela Vida ficou na Praça Central das 8:30 até as 17 hs.
Dois mil panfletos foram distribuídos pelas/os religiosos, e crianças do Projeto Villagindo para ser feliz.
As crianças em dois turnos faziam apresentações: música, violão, capoeira e vendiam produtos confeccionados por eles (é a preventividade).  A gaiola (Um metro e meio X Um metro e meio), ficou em lugar estratégico sempre com duas ou 03 pessoas dentro, boca e mãos amarradas, bem como o banner da Amanda, jovem de 15 anos,  de Castelo, município vizinho,  há 01 ano desaparecida. Além das faixas, recortes de jornais, banners, os pais  de Amanda  estiveram presentes o dia todo.
Os MCS da cidade  deram toda a cobertura. Às 16:30m, D. Dario Campos, com os religiosos presentes (18), coordenou  o encerramento com orações, canto da Rede e numa ação coletiva levantou-se a gaiola e as adolescentes foram libertadas.
Foi um momento muito forte despertando curiosidade e reflexão junto aos passantes. 

Apesar de nossa rede se reunir mensalmente,  dia 23 de setembro foi novidade para a maioria das pessoas.
Valeu a visibilidade, informação e, conscientização. 
Abram o Face: villagindo para ser feliz e verão todas as fotos. (pastoralvillagindo)
Ir. Rita, pelo grupo







quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Rede Um grito pela Vida da CRB/SP realiza atividade no dia Internacional de combate ao tráfico de pessoas


23 de setembro  -  Dia Internacional de combate ao Tráfico de Pessoas na Praça da Sé/SP
Faça chuva ou faça Sol – nossa voz não se cala, não luta não para
Quando os corações desejam manifestar amor por uma causa justa e solidária, pode acontecer de tudo até tempestade que parece desabar o mundo mais a esperança supera tudo. Na noite de 23 São Paulo parecia como que um dilúvio de tanta água e os telefones começaram a tocar: como vamos fazer, onde colocar a faixa de 4X3, 20, os cartazes e agora. Mas o Deus “Goel”, dos pobres, dos lascados fez a sua voz soar mais alto e se manifestou num dia lindo, ensolarado, alegre e parecíamos ver a face de Deus estampada na natureza e nas pessoas como que uma brisa a refrescar a nossa frente. Tudo foi lindo, as pessoas puderam se manifestar escrevendo o seu grito contra o tráfico de pessoas neste pano com tranquilidade e leveza. Apresentavam-se pessoas: idosas, crianças, jovens, adultos, catedráticos, religiosas/os, outros movimentos, grupos, línguas, etc. E o mais impressionante: não tínhamos carro de som, tenda para nos proteger, mas tínhamos o nosso testemunho de fé, esperança e bravura refletindo, explicando para as pessoas que ali passavam o que é o Tráfico de Pessoas e suas consequências para a humanidade tudo isso está registrado neste pano mas com certeza ficou gravado nos corações das pessoas que o TSH é uma causa de política pública e com participação de todos. “Trafico nunca mais”.
Ir. Alice Duarte
.




terça-feira, 24 de setembro de 2013

CRB - MG realiza atividade no dia 23 de setembro

Dia 23 de setembro - dia Internacional de Combate a Exploração Sexual e o Tráfico de Mulheres e Crianças foi marcado pelo Ato Público na Praça Sete, organizado pela CRB/MG - Rede Um Grito pela Vida em parceria com a Pastoral da Mulher e ISTA (Instituto Santo Tomás de Aquino – Diretório Acadêmico).
No Ato, além da presença da Vida Religiosa, estavam presentes os jovens da Rede de Igrejas Evangélicas que lutam nesta causa (JOCUM), as crianças e educadoras do Projeto Padre Gailhac (Religiosas do Sagrado Coração de Maria) com seus tambores e seu grito pela vida, Secretária da ANEC, jovens do IPJ, simpatizantes e colaboradores (SINDIELETRO – Sindicato dos eletricistas de Minas Gerais).
Foi uma tarde de mobilização e conscientização através de panfletagem e gritos pela vida ameaçada. Valeu a iniciativa! Este Ato foi Nacional, aconteceu em todas as Regionais onde a Rede está organizada. Sigamos em comunhão.

Coordenação: Ir. Sirlei, Ir. Barbara e Ir. Eudinéa
 




Dia 23 de setembro em BH


segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Dia Internacional contra o tráfico de pessoas

23 de setembro: Dia Internacional Contra a Exploração sexual e o Tráfico de Mulheres e Crianças

Ir. Gabriela Bottani

Esta data foi escolhida, em 1999, no Bangladesh, pelos países participantes da Conferência Mundial de Coligação contra o Tráfico de Pessoas, lembrando a promulgação da Lei Palácios no dia 23 de setembro de 1913, na Argentina.

A Lei Palácios foi o primeiro instrumento jurídico criado para punir quem promovesse ou facilitasse a prostituição e corrupção de menores de idade.  A lei inspirou outros países a protegerem sua população, sobretudo mulheres e crianças, contra a exploração sexual e o tráfico de pessoas.

Desde 1913, portanto, ao longo de 100 anos, foram assinados diferentes tratados internacionais sobre o tema:
         1904 - Acordo internacional para a Repressão do Tráfico de Mulheres Brancas
         1921 - Convenção Internacional para a Repressão do Tráfico de mulheres e Crianças
         1933 - Convenção para Repressão do Tráfico de Mulheres Adultas
         1949 - Convenção para a Repressão do Tráfico de Pessoas
         2000 - Convenção das Nações Unidas contra o Crime Transnacional – Protocolo adicional relativo à Prevenção, Repressão e Punição do Tráfico de Pessoas (Protocolo de Palermo)  
O diferencial marcante que o Protocolo de Palermo trouxe está na adoção da primeira definição genérica do termo “tráfico de pessoas”, abrangendo todas as formas essenciais.
Art. 3, “a”: A expressão “tráfico de pessoas” significa o recrutamento, o transporte, a transferência, o alojamento ou o acolhimento de pessoas, recorrendo à ameaça ou uso da força ou a outras formas de coação, ao rapto, à fraude, ao engano, ao abuso de autoridade ou à situação de vulnerabilidade ou à entrega ou aceitação de pagamentos ou benefícios para obter o consentimento de uma pessoa que tenha autoridade sobre outra, para fins de exploração. A exploração incluirá, no mínimo, a exploração da prostituição de outrem ou outras formas de exploração sexual, o trabalho ou serviços forçados, escravatura ou práticas similares à escravatura, a servidão ou a remoção de órgãos.

No que se refere ao compromisso no enfrentamento ao tráfico de pessoas o Protocolo de Palermo aponta para três áreas de atuação fundamentais para que a ação seja mais efetiva e eficaz:

Ø  Prevenção
Ø  Repressão e Responsabilização
Ø  Atenção às vítimas e das pessoas em situação de Tráfico

Um dos empenhos dos países signatários do Protocolo de Palermo, entre eles o Brasil, foi promover leis específicas nacionais para o enfrentamento ao tráfico de pessoas. Vejamos, pois, a trajetória no Brasil:

         DECRETO Nº 5.017, DE 12 DE MARÇO DE 2004. Ratificação da Convenção das Nações Unidas contra o Crime Organizado Transnacional Relativo à Prevenção, Repressão e Punição do Tráfico de Pessoas, em Especial Mulheres e Crianças.
         DECRETO Nº 5.948, DE 26 DE OUTUBRO DE 2006. Aprovação da Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas e institui Grupo de Trabalho Interministerial com o objetivo de elaborar proposta do Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas - PNETP
         DECRETO Nº 6.347, DE 8 DE JANEIRO DE 2008. Aprovação do I Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas - PNETP e institui Grupo Assessor de Avaliação e Disseminação do referido Plano.
         DECRETO Nº 7.901, DE 4 DE FEVEREIRO DE 2013 II Aprovação do II Plano Nacional de Enfrentamento ao tráfico de pessoas que institui a Coordenação Tripartite da Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas e o Comitê Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas – CONATRAP

A Vida Consagrada acredita que o dia 23 de setembro oferece a todos/as uma especial oportunidade para avaliar e refletir o caminho realizado no enfrentamento ao tráfico de pessoas, um tema ainda encoberto pela indiferença e silenciado.

Desde o ano de 2008 com o I Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas em alguns Estados Brasileiros há Núcleos de Enfrentamento ao tráfico de pessoas, que realizam um trabalho de conjunto e promovem debates e propostas de leis e planos estaduais de Enfrentamento ao tráfico de pessoas. Em outros Estados, pouco se fala e se faz. O caminho que temos pela frente é grande e desafiador.

Pessoas traficadas sofrem sérias conseqüências, carregam feridas profundas que afetam todas as dimensões de seu ser: biológico, psicológico, espiritual, social e relacional; a pessoa, chamada ao encontro de alteridade, plano original de Deus, quando é explorada sob esta degradante forma, é destruída, reduzida a mercadoria descartável. Isto é tráfico de pessoas, uma vergonha para nossa sociedade!

Escutando a voz de Deus que nos chama e a dor do clamor das pessoas em situação de tráfico, nós, Rede da Vida Consagrada e os Membros do GT de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas-CNBB, não queremos sossegar até que a vida continua sendo explorada, reduzida a mercadoria, usada para produzir lucro e prazer.

O dia 23 de setembro nos lembra que as leis são instrumentos fundamentais para uma ação efetiva e eficaz contra o tráfico de pessoas, mas a experiência de anos de ação em Rede ou articulados com outras iniciativas da sociedade civil, ensina-nos que uma lei é um ponto de partida, importante, mas, apenas um ponto de partida. Nossas consciências não podem ficar tranquilas e adormecidas, pois as leis tem que ser implementadas pro todos e para todos e em todos os Estados do Brasil. Para isto é necessário levantar a voz e pedir que a todos/as seja garantido o direito à vida e à liberdade, pois o tráfico de pessoas nos joga na cara, que a escravidão ainda não terminou.

Convidados à Ação

Nesta data os 20 grupos da Rede Um Grito pela Vida, rede brasileira da Vida Consagrada comprometida no enfrentamento ao tráfico de pessoas, em parceria com o Grupo de Trabalho de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas e Trabalho Escravo, e com outras organizações eclesiais, governamentais e não governamentais organizam ações de sensibilização e preventiva ao tráfico de pessoas em todo o Brasil. 


Convidamos, pois, a todos e todas a participarem das atividades realizadas em diversas cidades, mas, além disto, desejamos motivar e incentivar a outras iniciativas nesta luta que não pode cessar até que não vejamos a vida efetivamente defendida, garantida, protegida. Para mais informações podem acessar o Blog www.gritopelavida.blogspot.com e se juntar à corrente de oração pelo fim do tráfico de pessoas no Brasil e no mundo inteiro. 

João Pessoa realiza atividade no dia Internacional de Enfrentamento ao tráfico de pessoas

No dia 23 de setembro o grupo da Rede Um Grito Pela Vida de João Pessoa, realizou  na praça central da cidade, das 09 às 17 hs, uma atividade, levando para a praça uma  grande gaiola, simbolizando todas as pessoas que são vitimas do tráfico.
O grupo fez panfletagem de (2.000 exemplares), e encerrou a atividade com um  ato de libertação das pessoas que são presas pela rede do tráfico de pessoas.

Encontro de formação sobre Tráfico de Pessoas - Manaus

A Rede Um Grito Pela Vida, Regional CRB Manaus Roraima, realizará no dia 5 de outubro de 2013 um encontro de formação sobre tráfico de pessoas dando enfoque a legislação sobre TP e trabalho escravo.

Dia Internacional de enfrentamento ao tráfico de pessoas

23 DE SETEMBRO: DIA INTERNACIONAL CONTRA EXPLORAÇÃO SEXUAL  E O TRÁFICO DE PESSOAS

http://2.bp.blogspot.com/-cBWEysjRbyA/Tnx83y7BrBI/AAAAAAAADCk/ciR7dEk8cr0/s1600/Rede_Um_Grito_Pela_Vida_Tr%25C3%25A1fico_Humano_Trafico_de_Pessoas.jpg             O dia 23 de setembro é instituído internacionalmente como o dia de  enfrentamento à exploração sexual e ao tráfico de pessoas. Neste dia, em 1913, a Argentina promulgou a lei “palácios”, a primeira lei que punia quem promovesse ou facilitasse a prostituição e a corrupção de menores de idade. Esta lei inspirou muitos outros países a proteger mulheres  e crianças contra exploração sexual e o tráfico de pessoas.
             A escandalosa organização da rede criminosa do trafico de pessoas para fins de exploração sexual, trabalho escravo, comercio de órgãos, adoção ilegal ou práticas similares, revela a idolatria do sistema capitalista, que na arte de explorar, escravizar e mercantilizar tudo e todos em função do lucro, sacrificam vidas inocentes  no altar da ganancia. São milhares de crianças, adolescentes, mulheres e homens, vítimas desta abominável prática levam no corpo e na alma, duros golpes  e profundas cicatrizes físicas, psicológicas e morais.
            Embora os dados disponíveis sejam um tanto imprecisos, as cifras divulgadas sobre esta prática  hedionda  são alarmantes.  Colocam o trafico de pessoas entre as três fontes ilícitas mais rentáveis da economia mundial: gente, drogas e armas, movimentando exorbitantes quantidades de dinheiro e utilizando de formas sofisticadas de exploração e violência.
            Para a Organização das Nações Unidas (ONU), o número de pessoas traficadas no planeta atinge a casa dos quatro milhões anuais. E o Brasil é um dos países campeões no mundo em relação ao fornecimento de pessoas, particularmente mulheres para o tráfico internacional. Estima-se que 700 mil mulheres e crianças passam todos os anos pelas fronteiras internacionais do tráfico humano.  É o País responsável por 15% das pessoas exportadas da América Latina para a Europa.
             O Brasil  é, portanto uma nação de origem, transito e destino do tráfico de pessoas. Além de fornecedor das vítimas para o trafico internacional, abriga em seu solo, uma infinidade de rotas e práticas  de trafico interno, tanto de exploração sexual, como de trabalho escravo rural e urbano. O mapa deste comércio tem sempre uma constante: as pessoas traficadas são na sua grande maioria provenientes de regiões pobres e levadas para as regiões ricas, seduzidas por falsas promessas, que lhes fazem acreditar na possibilidade de sair das situações de pobreza e vulnerabilidades  e têm os seus sonhos transformados em pesadelos.
          Esta realidade-clamor constitui uma grave e inaceitável violação dos direitos humanos. Um atentado à dignidade e integridade das pessoas. Na afirmação do Papa Francisco: o tráfico de pessoas é uma atividade ignóbil, uma vergonha para nossas sociedades que afirmam serem civilizadas. A escravatura mais extensa neste século vinte e um.[1] Esta realidade se impõe como um grito, um apelo, uma provocação á indignação e a  profecia para a igreja e a sociedade.
           Atenta e sensível a esta realidade, a Vida Religiosa do Brasil, através da Rede “Um Grito pela Vida”  desde 2006  tem como missão defender a vida, a dignidade e os direitos das pessoas empobrecidas, em particular das crianças, adolescentes e mulheres traficadas para fins de exploração sexual.
           A Rede “Um Grito pela Vida” é Intercongregacional.  Constituída por aproximadamente 150 religiosas/os de diversas Regionais e Congregações. Um espaço de articulação e ação profético-solidária  da Vida Religiosa Consagrada do Brasil. É parte constitutiva da CRB Nacional Conferencia dos Religiosos do Brasil, atua de forma descentralizada e articulada com as organizações e iniciativas afins, nas diversas localidades, Estados e Municípios. Integra a Talitha kum – Rede internacional da Vida Religiosa Consagrada.
            As religiosas/os que integram a Rede “Um grito pela Vida” atuam nas diversas regiões do país, articuladas em mais de vinte núcleos, integradas com as organizações eclesiais e civis, fomentando, promovendo e/ou participando de atividades e processos de prevenção e assistência e  intervenção política, buscando instruir e  instrumentalizar a sociedade a fim de coibir o crescimento da inserção de vítimas neste mercado do crime.
ENFRENTAR O TRÁFCIO DE PESSOAS É NOSSO COMPROMISSO
             Para marcar este dia 23 de setembro – dia Internacional contra a Exploração Sexual e o Tráfico de pessoas, os núcleos da Rede “Um grito pela Vida”, em parceria com as organizações da sociedade e civil e governamentais realizam ações de  sensibilização, prevenção e mobilização social e politica de enfrentamento ao trafico de pessoas, nos vários estados e municípios da federação onde estão presentes.  
              São atividades diversas: acampamentos nas praças, blitz informativa, caminhadas, oficinas e encontros formativos, coletivas de imprensas, cine-fóruns, debates... com o objetivo  de dar visibilidade e denunciar esta realidade-desafio que apesar de ser gravíssima e muito presente, ainda permanece oculta,  protegida  e sustentada pelo silencio social e a ineficiência da efetividade das politicas públicas, das redes de proteção  e das leis de enfrentamento a este crime.
            A erradicação desta triste realidade é  compromisso de  todas/os nós, que acreditamos na possibilidade de um “outro mundo possível”, em uma sociedade pautada no direito, na justiça social e na superação de toda forma de violência, exclusão e tráfico.
 Este compromisso “...não pode e nem deve ser uma luta em prol de algumas vítimas desafortunadas do egoísmo humano, mas sim o ponto de partida para repensar as prioridades que orientam  a humanidade, para redirecionar o caminho do desenvolvimento econômico, para recolocar no centro da vida de cada pessoa a utopia da fraternidade universal, com progressiva eliminação de todos os ídolos que exigem sacrifícios humanos” [2]
           Nesta perspectiva, na esperança de seguirmos tecendo os fios da solidariedade na defesa da vida das pessoas traficadas e ampliarmos, de forma efetiva, a otimização e articulação de nossos esforços e iniciativas, em prol de uma sociedade sem tráfico de pessoas.
           Contamos com vocês, junte-se a nós! Informe-se, participe desta luta! Vamos dar um basta a esta realidade que desumaniza e envergonha nossa humanidade!
           Denuncie o trafico de Pessoas – disque 100 ou 180.
        
Ir. Eurides Alves de Oliveira, ICM
Coord. Rede Um Grito pela Vida.
gritopelavida.blogspot.com



[1] 31 de março, 2013, homilia da Páscoa
[2] MARINUCI,Roberto. Trafico de pessoas e trabalho Escravo. II Seminário Nacional: 2012. Brasília-DF. Ed. CNBB p 11

sábado, 21 de setembro de 2013

CONVITE DO NÚCLEO DA REDE DE JOÃO PESSOA, PB


Queridas irmãs (os), boa noite! Venho através deste dá-lhes uma boa notícia! Finalmente, depois de muita insistência a prefeitura liberou o solo para colocarmos nossa tenda dia 23/09/13 – Dia Internacional de Enfrentamento ao Tráfico de pessoas. E com alegria, nós vamos para rua. Vocês que trabalham com grupos nas comunidades, paróquias, etc. Divulguem este e-mail e os convidem a dar uma passada por lá para nos visitar e tomar conhecimento do que é o tráfico de pessoas. Venha participar conosco!

Defender a vida é nossa missão! Jogue fora o tráfico de pessoas!

Ficaremos na tenda das 8h30 às 16h30! Desde já, agradecemos a sua presença, pra somar força conosco!



Ir.Sirleide, OSF.
Pela coordenação da Rede Um Grito pela vida
João Pessoa – PB

19/09/13

sábado, 14 de setembro de 2013

Seminário sobre Tráfico de Pessoas Cidade de Panamá – Panamá, 11 - 13 de setembro de 2013

Por Leticia Casas Sánchez, fsps
Presidente da CLAR

“Tirar a pedra, desamarrar as vendas”

El Seminario de Trata de Personas promovido por la CLAR, en la ciudad de Panamá, se llevó a cabo del 11 al 13 de septiembre con el lema: “Sacar la piedra, quitar las vendas” (Jn 11,39.41.43). En el seminario participamos religiosas y religiosos de 14 países de América Latina y del Caribe, y que se vinculan de varias maneras en la prevención y el acompañamiento a las víctimas de la Trata de Personas. Varios de ellos pertenecen a la redes  “Kawsay”, “Ramá” y “Um Grito pela Vida”, articulados con la red internacional “Talitha Kum”. El objetivo del Seminario fue la sensibilización ante este flagelo presente en nuestros pueblos  que hoy es considerado “la esclavitud del siglo XXI”, así como el de formarnos y fortalecer las redes regionales invitando a que se organicen donde no las hay. Como Vida Consagrada  Latinoamericana y Caribeña queremos seguir “escuchando a Dios donde la vida clama”, de manera especial en el clamor de nuestros hermanos y hermanas víctimas de esta grave violación de los Derechos Humanos. Compartimos aquí nuestro Mensaje Final.


MENSAJE FINAL

Nos hemos reunido en la ciudad de Panamá, representantes de diversas Conferencias y de las redes: UN GRITO POR LA VIDA (UGPV), RED KAWSAY, RED RAMÁ miembros de la RED INTERNACIONAL TALITHA KUM,  que desde la Vida Consagrada en América Latina y el Caribe, enfrentan el flagelo de la trata de personas, en un contexto donde la creciente participación ciudadana, especialmente de mujeres y jóvenes, toma posición ante situaciones de exclusión, corrupción, impunidad y un Estado débil.

La arraigada desigualdad de nuestras sociedades, junto con una cultura consumista, encuentra en la trata de personas su expresión más deshumanizante, aún cuando ésta pretende ser silenciada y mantenida invisible. 

La persona  llamada al encuentro de alteridad, plan original de Dios, es destruida al reducirse en mercancía descartable. Esto es “trata de personas”. Esta es la realidad indignante que afecta a 20,9 millones de personas en el mundo, ante la cual, como Vida Consagrada, no podemos callar ni resignarnos (Fuente OIT, Informe 2012).

El Papa Francisco nos recuerda que en las personas vulnerables y lastimadas “tocamos la carne de Cristo”, y nos sentimos desafiadas y desafiados a hacerlo con las manos de Cristo.
La CLAR en su Plan Global 2012 – 2015, presenta la Casa – Comunidad de Betania como icono orientador (Jn 11-12).  Imagen provocadora de fe ante lo aparentemente definitivo, porque así como la muerte de Lázaro  es decretada, el crimen de trata de personas, entre las tres actividades criminales más lucrativas, es percibida como algo irremediable.

Sin embargo, al igual que en el pasaje del Evangelio de Juan, la resurrección no es postergada para el último día; nos sentimos llamados a actualizar en el hoy gestos y palabras que afirmen el Señorío de Dios sobre la muerte y el pecado, específicamente en el crimen de la trata de personas.

El mandato del Señor a mover la piedra y desatar las vendas, desde la riqueza de nuestros carismas, no permite una actitud de pasividad resignada, sino que nos provoca a emplear todos nuestros recursos para reafirmar la dignidad, para ponerle nombre a las buenas noticias que el Dios de la vida nos permite vislumbrar.

Percibimos y agradecemos  como gracia ponernos al lado de otros sectores de la sociedad civil al servicio de la dignidad desfigurada y por esto nuestro renovado compromiso de trabajar en  red dentro de la Vida Consagrada va de la mano con la búsqueda de alianzas con otras instancias y organizaciones sociales que han asumido enfrentar la trata de personas, esclavitud del siglo XXI.




Chá pela Vida: Não ao tráfico de pessoas!

A Rede Um Grito pela Vida em Porto Velho, em ocasião do Dia 23 de setembro, dia internacional contra o tráfico de pessoas, organiza uma panfletagem para informar e sensibilizar a população sobre esta grave violação dos direitos humanos.

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Encontro de formação com lideranças dos Países Fronteiriços Brasil, Colômbia e Perú.

Reunião de articulação das lideranças das Fronteiras Perú, Brasil, Colômbia para realização do encontro de formação sobre Tráfico de Pessoas na região.
Uma das prioridades da Rede Um Grito Pela Vida, Regional da CRB Manaus/Roraima, é articular forças, tecer redes e parcerias com as organizações para o enfrentamento ao Tráfico de Pessoas nas regiões fronteiriças.
Neste intuito foi realizado o encontro em Tabatinga – AM, Brasil, com representações dos três países oriundas das cidades de Letícia (Colômbia), Santa Rosa e Islândia (Perú), Benjamin Constante, Atalaia do Norte e Tabatinga (Brasil), onde foi socializado aspectos da realidade e iniciativas de enfrentamento ao tráfico de pessoas nesta região fronteiriça.
Como encaminhamento marcou-se um encontro de capacitação para o dia 30 de novembro e 01 de dezembro de 2013, com o objetivo de fortalecer as iniciativas, e capacitar lideranças em vista da Campanha da Fraternidade 2014 que no Brasil terá como tema: Fraternidade e Tráfico Humano e com o lema: “Foi para a liberdade que Cristo nos Libertou.”
Ir. Rose Bertoldo
 

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Noticias da Rede Um Grito Pela Vida - Curitiba, PR



REDE UM GRITO PELA VIDA- NÚCLEO CURITIBA

Aconteceu no dia 22 de agosto, a primeira capacitação da Rede Um Grito Pela Vida para o recém-criado núcleo de Curitiba. A capacitação realizada pela líder nacional da Rede, Ir. Eurides Alves de Oliveira, ICM, contou com a presença de 29 pessoas, entre religiosos e religiosas da CRB-Curitiba, assim como representantes da Dimensão Social da Arquidiocese de Curitiba. O grupo avaliou positivamente a presença e formação ministrada pela Ir. Eurides e já agendou uma nova reunião para o dia 10 de setembro afim de discutir ações práticas para o Dia Internacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas e demais eventos de 2014, como CF e Copa do Mundo.