Mais notícias

terça-feira, 28 de maio de 2013

Capacitação da REDE UM GRITO PELA VIDA Regional SP

A Rede um Grito pela Vida, de São Paulo realizou no dia 20 de Maio o ENCONTRO DE FORMAÇÃO SOBRE TRÁFICO DE PESSOAS. Foi estudado neste encontro o IIº Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas e a importância da articulação entre a sociedade civil e o poder público. Este teve a assessoria da psicóloga Dra Anália Belisa Ribeiro.
O encontro teve inicio com um momento de espiritualidade onde foi refletido o texto dos Atos dos Apóstolos 16, 16-29. A partir deste texto foram lançadas algumas provocações sobre a realidade do tráfico humano nos dias de hoje. Após o lanche da parte da manhã Dra Anália Ribeiro fez a colocação sobre o tema em questão.
Ela enfatizou que o Tráfico humano é uma questão pública, de todos, pois o respeito à dignidade humana deve ser uma política de Estado. Alguns dos principais desafios por ela foram: organizar e implantar um sistema de informação. Promover a transparência de informações e criar um sistema de proteção integrado às testemunhas.
Depois ela fez uma explanação sobre Políticas Públicas definindo-as como um conjunto de ações coletivas, onde cabe ao Estado promover ações preventivas contra a exploração sexual, trabalho escravo e tráfico de órgãos.
É importante, por parte da sociedade, o monitoramento destas Políticas Públicas. Fortalecendo as redes já existentes no combate a essas mazelas presentes no contexto mundial, construir sempre mais ações conjuntas e integradas.
Na parte da tarde Ir. Roseli, apresenta alguns dados da realidade do Tráfico de Pessoas, que é um universo clandestino, pois é um crime invisibilizado, dentro de um conjunto de situações onde as vitimas não se reconhecem como tal. Encontra-se ainda nas leis um vazio na proteção e direitos da própria vitima.
Esta realidade do Tráfico de Seres Humanos é sustentada pelo capitalismo que transforma de uma maneira mais aguda pessoas em mercadorias. Neste contexto, o corpo mais desejado para o Tráfico são adolescentes e crianças, encaminhando-se assim rumo a uma pedofilização do Tráfico de Seres Humanos.
Foi apresentada também uma visão geral do Tráfico de Pessoas, onde 2,45 milhões de pessoas são traficadas (UNODC), sendo que 1,2 são crianças entre 5 e 15 anos (UNICEF).
A maioria, ou seja, 80% são mulheres e crianças. Ela ainda sublinhou que em relação ao Tráfico de Pessoas, nas pesquisas o Brasil aparece como um país de origem, de trânsito e de destino. 
Depois, apresentou  a origem da rede Um Grito pela Vida e o trabalho que é realizado em todo o Brasil e no mundo, por meio da rede internacional Talitha Kum.  

Maria de Lourdes e Marinete

(Missionárias de Maria Xaverianas)

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Rede UGPV - CRB Regional BA/SE


A Rede Um Grito Pela Vida - CRB Regional BA/SE realizou seu plano de ação para o ano de 2013.

PLANO DE AÇÃO
1. JUSTIFICATIVA
A Vida Religiosa Consagrada, procurando discernir em cada momento histórico os apelos de Deus, vindos dos clamores de tantos irmãos e irmãs, que em cada época e contexto foram se apresentando com um eloquente clamor por Vida e Libertação.
A Rede Um grito pela Vida é Intercongregacional, constituída por religiosas e religiosos de várias Congregações. Sendo um espaço de articulação e ação solidária da Vida Religiosa Consagrada, faz parte constitutiva da CRB – Conferência dos Religiosos do Brasil. Integra também a Rede Talita kum - Rede internacional da Vida Religiosa Consagrada no enfrentamento ao tráfico de pessoas, coordenada pela UISG – União Internacional das Superioras Maiores.
O tráfico de pessoas, sobretudo de mulheres e crianças, que são as vítimas em potencial deste ilícito negócio, é hoje um dos mais urgentes apelos históricos para a sociedade, e com especial convocação para as Igrejas e a Vida Religiosa, cuja missão de cuidar, proteger, defender e promover a vida ameaçada é imperativo teológico. Faz parte das afirmações fundamentais da vida cristã recusar qualquer tipo de violência como expressão da violação de direitos humanos, a ela se opor, denunciá-la e contribuir para sua superação.
Aberta e ecumênica, a Rede Um Grito pela Vida atua de forma descentralizada e articulada com as organizações eclesiais e civis nos diversos estados e municípios, onde se encontra organizada em núcleos e regionais. Atenta e sensível à “realidade-clamor” do tráfico de pessoas, a Rede Um Grito pela Vida sente-se convocada a estar, de maneira estratégica, ao lado das pessoas indefesas, com uma práxis articulada de solidariedade e cidadania a serviço da vida. Religiosas de várias Congregações têm, nas últimas décadas, assumido mundialmente a luta pela erradicação do tráfico de pessoas, como uma atuação missionária, vivida com solicitude e audácia profética.
2. OBJETIVO GERAL
Partilhar e otimizar os recursos da Rede Um Grito pela Vida, presente nos estados da Bahia e de Sergipe, a fim de favorecer intervenções na prevenção, na sensibilização e na denúncia ao tráfico de pessoas.
Regional BA/SE
3. OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Criar novos grupos de conscientização e enfrentamento ao tráfico de pessoas. Sensibilizar e socializar informações sobre o tráfico de pessoas. Capacitar multiplicadores, multiplicadoras para ações educativas de prevenção e assistência. Busca somar forças em parceria com as iniciativas e campanhas preventivas ao tráfico de pessoas durante a Copa do Mundo, jogos Olímpicos e outros mega eventos nacionais.
4. METODOLOGIA UTILIZADA
Trabalho com as pastorais e catequistas. Apresentação da temática sobre o tráfico de pessoas em encontros com o clero, grupos da CRB e outros. Sensibilização através de panfletagem em pontos estratégicos da cidade, e durante caminhadas. Pesquisa em anúncios na internet, cartões postais e outros sobre como o Brasil é representado ao mundo. Fortalecimento da rede de ações preventivas. Pesquisa da realidade de mulheres, crianças, jovens, através de visitas a famílias e instituições. Visita ao IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) para fazer a pesquisa. Conscientização através de tenda de informações armada em praças, no dia 23 setembro – dia internacional contra o tráfico de pessoas. Criação de grupos de estudo sobre a temática do tráfico de pessoas e violação dos direitos humanos. Palestras em escolas e em outras instituições. Utilização dos meios de comunicação social para sensibilização sobre o risco do tráfico de pessoas.
5. RESULTADOS ESPERADOS
Aprofundamento da temática sobre o tráfico de pessoas. Formalização da rede de ações preventivas. Conhecimento de como trabalhar com grupos juvenis. Aguçamento do olhar crítico e da atenção, no que diz respeito a propagandas e informações apelativas ao tráfico de pessoas. Conscientização das pessoas, a fim de que atentem para o risco do tráfico de seres humanos. Conhecimento maior dos instrumentos de violação de direitos das mulheres. Oferta de informações sobre os riscos do tráfico de pessoas.
6. RECURSOS UTILIZADOS
Grupos de reflexões: pastorais, catequistas, comunidades. Pesquisa: Bancas de revista, lojas de objetos turísticos, internet, jornais. Encontros: Clero, grupos e núcleos da CRB, outros grupos de atuação. Panfletagem: caminhadas, pontos estratégicos da cidade. Pesquisa de campo: famílias, instituições.
7. CRONOGRAMA DE AÇÃO
O QUE
TEMPO
Grupo de estudo na comunidade
Coletar: cartões postais, internet, anúncios
Sensibilização
Pesquisa sobre migração nas comunidades
Repasse de Informação para jovens e adultos
Meses de maio a outubro
Meses de maio e junho
Meses de maio a outubro
Meses de maio a agosto
Meses de maio a outubro
8. CONCLUSÃO
Agradecemos a presença e participação de todas e todos que somam conosco nesta luta e reafirmamos para toda a Vida Religiosa Consagrada o desejo de vê-la sempre mais comprometida com esta e outras causas que ferem a Vida em todas as suas dimensões. A REDE UM GRITO PELA VIDA é um espaço aberto e espera encontrar nas organizações afins e, neste momento, de modo específico, no CHAME – Centro Humanitário de apoio à mulher, a colaboração e empenho no enfrentamento desta realidade de agressão aos direitos humanos e ao sonho de vida em abundância que Deus tem para todos os seus filhos e filhas

quarta-feira, 8 de maio de 2013

5ª Semana Social Brasileira: do Estado que temos ao Estado que queremos.

No dia 1 de maio, 2013, a Rede Um Grito Pela Vida - Regional Manaus participou da abertura oficial da Semana Social Brasileira. Este ano traz o tema: 5ª Semana Social Brasileira: do Estado que temos ao Estado que queremos.
Dentre as diversas atividades que serão realizadas, destacamos os seminários que serão realizados por grupos e pastorais nas diversas regiões, culminará com a realização da grande semana em agosto e o encerramento com o grito dos excluidos/excluidas no dia 31 de agosto de 2013 em Manaus - AM.

Caminhada da Paz, área missionária Tarumã - Manaus

No dia 1 de maio a Rede Um Grito Pela Vida Regional Manaus, participou da Caminhada Pela Paz na área missionária Tarumã. 
A caminhada acontece todos os anos e tem como objetivo promover a paz nas comunidades da área missionaria.

Audiência com Dom Sérgio Eduardo Castriani - Arcebispo de Manaus.


A audiência teve como objetivo apresentar a Rede Um Grito Pela Vida e as atividades que a mesma desenvolve na região amazônica.
Aconteceu na Curia metropolitana de Manaus, Dom Sérgio acolheu  com alegria os membros da Rede Um Grito Pela Vida. Durante o encontro o grupo apresentou a Rede e as atividades que vem desenvolvendo nestes 3 anos de presença na região amazônica.
Foi feito uma apresentação dos membro da rede que é composta por congregações, leigas, leigos e instituições.
Dom Sérgio ressaltou o desafio que o grupo tem em trabalhar esta temática nesta região, por ser uma região de grandes conflitos causados pelo narcotráfico, tráfico de pessoas principalmente nas regiões de fronteira desta imensa Amazônia. Destacou ainda a importância de continuar com a sensibilização do tema nas diversas realidades, tendo em vista a CF 2014 e a necessidade de ampliar o grupo, favorecendo uma formação para que mais pessoas possam estar contribuindo no processo de formação de outras lideranças.
Animou o grupo para continuar sendo presença profética diante desta triste realidade, na defesa das pessoas que são vitimas deste crime e contribuindo para que as pessoas não caiam nesta rede criminosa.
Para finalizar o encontro, o grupo entregou um kit de material sobre o tráfico de pessoas, agradecendo pela disponibilidade em nos acolher e fortalecer o grupo.
Roselei Bertoldo ICM.