quarta-feira, 22 de abril de 2015

Abertas as inscrições para seminário sobre trabalho decente no Ceará

Já estão abertas as inscrições para o seminário "Do conceito às ações: estratégias para a garantia do Trabalho Decente no Ceará" que acontecerá dia 30 de abril no auditório João Frederico Gomes, na Assembleia Legislativa do Estado do Ceará.

O evento é uma iniciativa do Ministério Público do Trabalho no Ceará (MPT-CE) e debaterá os maiores desafios para a garantia do trabalho decente no Estado. Temas como trabalho infantil, trabalho escravo, terceirização, acidentes de trabalho e assédio moral deverão marcar o início das comemorações do Dia do Trabalhador.


A participação é gratuita e está aberta a toda comunidade de trabalhadores, empregadores, sindicatos, gestores, profissionais do Direito e estudantes. As inscrições devem ser feitas até 27 de abril através do link: INSCRIÇÃO NO SEMINÁRIO SOBRE TRABALHO DECENTE - 30.04.2015

SERVIÇO


Seminário – Do conceito às ações: estratégias para a garantia do Trabalho Decente no Ceará
Local: Auditório João Frederico Gomes – Assembleia Legislativa do Estado do Ceará, Anexo II
Data: 30.04.2015
Horário: 8h às 16h

Especialistas do Brasil e dos EUA discutem trabalho forçado nesta quarta-feira (22)

Copyright - Nações Unidas 2014
Em dois eventos promovidos pela OIT e pelo Departamento de Trabalho dos EUA, especialistas irão compartilhar estratégias emergentes que estão sendo colocadas em prática no estado de São Paulo e na Califórnia.
Foto: OIT
Foto: OIT
Especialistas da Organização Internacional do Trabalho (OIT), do Departamento de Trabalho dos EUA (USDOL), da fundação Humanity United e do Centro Burkle da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) irão discutir nesta quarta-feira (22) estratégias inovadoras para combater o trabalho forçado e outras formas de exploração de trabalhadores em todo o mundo.
A conferência “Fora das Sombras: Combate ao Trabalho Forçado e Outras Formas de Exploração do Trabalhador”acontecerá nesta quarta-feira, dia 22 de abril, em Washington, nos EUA (McKenna, Long & Aldridge, 1900 K Street NW, Washington D.C. 20006).
Durante o evento, autoridades do governo, legisladores, acadêmicos, representantes de empresas e de trabalhadores e outros especialistas do Brasil e dos Estados Unidos irão compartilhar estratégias emergentes que estão sendo colocadas em prática no estado de São Paulo e na Califórnia, além de promover a troca de conhecimentos sobre experiências nacionais e boas práticas existentes e de explorar a relação entre práticas de exploração de trabalhadores e trabalho forçado.
Jornalistas estão convidados a participar do evento. A agenda da conferência está disponível emhttp://workerexploitation.org/agenda/
Um evento similar será realizado na sexta-feira, dia 24 de abril, em Los Angeles, e poderá ser acompanhado ao vivo pelo link http://workerexploitation.org/agenda/live-webcast/
Jornalistas que desejarem participar dos eventos devem entrar em contato com Egan Reich: +1202-693-4960, reich.egan@dol.gov
Jornalistas que desejarem entrevistar especialistas da OIT devem entrar em contato com Marcia Poole: +41-79-5931530, poole@ilo.org

Congresso sobre Tráfico de Pessoas e Exploração sexual de crianças e adolescentes - Argentina


NOTA SOBRE A SITUAÇÃO DO PAÍS - CONGRESSO NACIONAL DA VIDA CONSAGRADA


Aparecida,  10 de abril de 2015

A Conferência dos Religiosos do Brasil, por ocasião do Congresso Nacional para a  Vida Consagrada, realizado nos dias 07 a 10 de abril de 2015, em Aparecida, São Paulo, com a presença de mais de dois mil Religiosos e Religiosas de muitas Congregações e Institutos de Vida Consagrada, Sociedade de Vida Apostólica e Institutos Seculares, de todo o Brasil, refletiu, entre outros assuntos,  sobre o complexo e difícil momento pelo qual passa o País, sobretudo no que se refere à ameaça aos avanços sociais e aos processos democráticos, que consolidamos nos  últimos anos, bem como sobre as dificuldades econômicas que assolam nossa população.

Refletindo sobre a identidade e profecia, constatou-se a urgência de uma reação pacífica, mas contundente, contra as práticas repressoras em curso: a iminência de aprovação da redução da maioridade penal, a perda de conquistas trabalhistas, a lentidão da nossa justiça, a corrupção e, por vezes, a manipulação midiática que  distorce os fatos e imprime uma abordagem parcial dos mesmos.

É legítimo o clima de insatisfação popular frente ao “escândalo da corrupção na Petrobrás, as recentes medidas de ajuste fiscal adotadas pelo Governo, o aumento da inflação, o aumento abusivo dos preços de determinados serviços, a crise na relação entre os três Poderes da República”. No entanto nada legitima um “golpe na democracia”, pois o Estado Democrático de Direito foi conquistado com muita luta, sofrimento e martírio em tempos não muito remotos.

As manifestações de rua,  ainda que legítimas, correm o perigo de servirem  aos interesses privados de grupos fechados ao bem da população, em particular dos mais pobres.

Conscientes de que o que está em jogo é  um conflito de projetos de sociedade, nossa missão profética   coloca-nos  sempre ao lado dos que mais sofrem, com uma postura ética, pautada na justiça e defesa dos direitos. Por isso, nos posicionamos contra toda forma de  dominação,  interesses, iniciativas e processos que violentem ou abortem as conquistas que potencializam a inclusão dos mais pobres. Assumimos o projeto de Lei de Iniciativa Popular obra da coalizão pela Reforma Política Democrática e Eleições Limpas. Nos posicionamos contra a redução da maioridade penal, o não reconhecimento das causas indígenas e dos quilombolas, e refutamos todas as atitudes que ferem a democracia e a legitimidade das eleições.

Convocamos a todas e todos para que se mantenham firmes neste caminho, com uma postura crítica e lúcida neste momento histórico, discernindo com solicitude o que apoiar, exercendo uma  cidadania ativa voltada para o fortalecimento das causas da justiça e da paz.

Que nossa Senhora Aparecida, nos ilumine e conduza sempre nos caminhos da justiça e profecia.



IR. MARIA INÊS VIEIRA RIBEIRO, mad

Presidente da CRB Nacional

Pelos Consagrados e Consagradas presentes no Congresso Nacional




Documento síntese do Seminário Nacional “Direitos Humanos no Brasil – A promessa é a certeza de que a luta precisa continuar”.

terça-feira, 14 de abril de 2015

Assumir o Núcleo Identitário da VC: Atitude Profética, Processo Mistagógico

Depoimento: Ir. Eurides Alves de Oliveira, ICM - Coord. da Rede Um grito pela Vida.
Seminário Nacional da Vida Consagrada 
Assumir o Núcleo Identitário da VC: Atitude Profética, Processo Mistagógico
Inicio este depoimento, expressando minha alegria e gratidão pela oportunidade de estar aqui neste seminário, nesta bonita ciranda de integração de nossos carismas congregacionais, compartilhando a missão da Rede Um grito pela Vida.
A experiência missionária da Rede Um grito pela vida, não é uma experiência pessoal, mas uma construção coletiva. Trata-se de um espaço de articulação e ação profético-solidária da VRC do Brasil. É constituída por mais de 300 religiosas, religiosos pertencentes a mais de 50 congregações e de muitos leigos/as, no enfrentamento ao Tráfico de Pessoas - essa chaga desumana e vergonhosa que impera em nossas sociedades, matando os sonhos, a dignidade e a vida de milhões de pessoas, especialmente dos mais pobres.
Desde 2006, a Rede Um grito pela vida, atua de forma descentralizada e articulada com organismos eclesiais, organizações da sociedade civil e do poder público, nas diversas localidades, Estados e Municípios. Integra a Talitha kum – Rede internacional da Vida Religiosa Consagrada, que congrega 20 redes, presentes em 72 países no mundo. Conta hoje com 23 núcleos presentes em 20 Estados e no distrito federal.
As religiosas/os e leigos/as que a compõem desenvolvem atividades de sensibilização e informação, organizam grupos de estudo e reflexão, cursos de formação para multiplicadores/as, participam e/ou promovem mobilizações sociais e políticas incidindo na definição e efetivação de políticas públicas de Enfrentamento ao tráfico de pessoas.
Nestes 08 anos de existência da “Rede um grito pela Vida”,  fomos  compreendendo que atuar no enfrentamento ao tráfico de pessoas, é um “imperativo bíblico-profético” D’aquele que Vê, ouve e desce para libertar seus filhos e filhas da escravidão’ (cf. Ex 3,7), D’aquele que enviou seu filho único nascido de uma Mulher, para dar sua vida em resgate de outras vidas. (cf. Gl 4,4), e das mulheres discípulas que com refinada astúcia, cumplicidade e solicitude ao Espírito de Deus, foram protagonista no resgate, defesa e promoção da vida umas das outras e dos pobres.  
Somos convictas de que o tráfico de pessoas, especialmente o de mulheres e crianças com toda sua complexidade se apresenta como um campo de atuação missionária, um "desafio-clamor, que nos toca profundamente e convoca a todas e todos a estar de maneira estratégica do lado das pessoas indefesas, com uma práxis articulada de prevenção, atenção e proteção às vítimas e incidência política. Trabalhar neste campo não é só uma opção, mas uma necessidade que o Evangelho nos impõe como condição de fidelidade ao Projeto do Reino.
A experiência missionária da Rede é como a experiência das parteiras do Egito (Ex 1, 15-17). Uma Rede de Vida que se opõe a uma rede de morte.  Com “comPaixão”, ternura e ousadia,  cumplicidade e compromisso,  no silêncio da oração, na escuta dos clamores e das  histórias de vida, nas relações corpo-a-corpo, nas atividades e nos processos formativos, nas articulações  e mobilizações, na denuncia dos fatos e das causas e no anuncio da esperança militante, fazemos ecoar nosso “grito pela vida” e  tecemos “redes de vida  e de libertação.
Dentre as muitas e diversas práticas dos núcleos, elenco algumas, que foram e são significativas para  ampliar e fortalecer a missão da Rede no enfrentamento ao trafico de pessoas. A participação efetiva na mobilização para aprovação e na realização da campanha da fraternidade 2014 sobre o tráfico humano. A campanha “Jogue a favor da vida” antes e durante a copa do mundo de 2014, que teve uma ampla adesão e envolvimento da sociedade e igrejas no âmbito nacional e internacional; a “caravana de cidadania”, atividade realizada pelo núcleo de Manaus, em parceria com a Secretária de Segurança Pública, com ações de sensibilização e prevenção nas escolas publicas da cidade; a inserção e participação nos comitês e núcleos de enfrentamento ao tráfico de pessoas nos estados e municípios; a ação itinerante do núcleo de Recife junto ao NETP/PE, através do ônibus que circula o interior do estado realizando jornadas  preventivas ao tráfico de pessoas. O ônibus itinerante possui equipamentos de TVs e de som para capacitação nas ruas e praças e um gabinete de atendimento para escuta, registro de denuncias e orientações; a produção de material pedagógico; a ocupação de vários espaços nos MCS, e a utilização das redes sociais para comunicação, articulação e informação e formação através do blog e facebook da Rede, e os encaminhamentos e acompanhamento dos casos concretos.
À luz desta rica experiência da rede nestes 08 anos, destaco alguns aspectos que acredito ser fundamental para avançarmos na missão profética da VRC hoje: A sensibilidade e compromisso com empobrecidos (sujeitos emergentes); a intercongregacionalidade; a Interinstitucionalidade; a mudança de paradigmas culturais, o trabalho em rede, a abertura aos novos gritos e a Itinerância missionaria para as periferias e fronteiras e o cultivo de uma mística e espiritualidade da encarnação solidária, contemplativa e proativa.
A Rede um Grito pela Vida é um caminho que nos permite ampliar alianças intercongregacionais em prol da vida ameaçada e ferida das pessoas traficadas. Caminho que nos possibilita ensaiar passos de encarnação em novos espaços sociais, políticos e teológicos.
"Um grito pela vida tão sofrida quero ouvir!
Milhares de outras vozes solidárias vão se unir!
Não mais o trabalho escravo, não mais a exploração!
No grito, a dor e o pranto do canto-libertação!” (Ir. Miriam Koling).
------------------------------------------------------------------------------------------

E antes de concluir, tomo a liberdade de expressar algo que está gritando dentro de mim e considero que é de Deus. Trata-se de uma inquietação frente ao momento histórico em que estamos vivendo, no mundo e particularmente no País. Sinto que estamos vivendo um momento crítico e doloroso que requer de nós um posionamento. Pois o que está em jogo é nosso regime democratico, construído com suor e sangue dos pobres, dos nossos profetas e mártires.



segunda-feira, 13 de abril de 2015

Congresso Nacional da Vida Consagrada - Assumir o núcleo identitário da Vida Religiosa Consagrada

O Seminário Nacional da Vida Consagrada teve como proposta o debate e aprofundamento sobre temáticas relacionadas ao núcleo identitário da Vida Religiosa Consagrada. Após grande procura no momento de abertura das inscrições, e também motivado pelo Ano da Vida Religiosa, o Seminário tornou-se um Congresso. 



Ouça a entrevista com a Secretária-Executiva da Conferência dos Religiosos do Brasil, Ir. Dionisia Pereira Duarte: Clique aqui

Rede Um Grito pela Vida - Depoimento no Congresso Nacional da Vida Consagrada


Religiosos manifestam suas impressões sobre Congresso

ESCRITO POR CRB COMUNICAÇÃO - 

Por Egnalda Rocha| 09.04.15|O Congresso da Vida Consagrada, que acontece em Aparecida - SP, está envolvendo os participantes. Alguns expressaram seus sentimentos e impressões, a cerca de experiências vivenciadas, com tudo o que veem e discutem nos pequenos grupos, no evento.
Eurides Alves de Oliveira-icm, coordenadora nacional da Rede Um Grito pela Vida, da CRB, que atua na prevenção contra o Tráfico de Seres Humanos. Engajada em causas humanas, ela afirma que o Congresso aponta para a solidariedade. "É um momento histórico de volta à radicalidade do evangelho, na perspectiva do empobrecido, assumir a nossa missão de ser presença de Deus junto aos sofredores. Não podemos perder o que a realidade nos apresenta. São as novas fronteiras e nelas temos rostos que clamam nossa presença", destacou. Além do Tráfico Humano, Irmã Eurides reiterou a necessidade da Vida Consagrada marcar presença mais efetiva na luta pelos direitos humanos. "Espero que o Congresso ratifique essa preocupação. Há muitas categorias que carecem da nossa presença: dependentes químicos, pessoas em situação de rua, e tantos outros. Precisamos investir também, nossa postura profética, na causa da democracia, que também corre risco, nessa atual conjuntura”.
 Irmã Mercedes Casas Sánchez, presidente da Confederação Latinoamericana e Caribenha e Caribenha de Religiosos e Religiosas, representa centenas de Congregações  Religiosas e acompanha de perto sua caminhada, seus desafios e esperanças. Atenta a todas as falas, reflexões e iluminações, ela comenta suas impressões a cerca do evento. "É uma oportunidade de revitalização da esperança, de crença na força da pequenez que nos força  a uma nova maneira de nos fazer presentes, no mundo de hoje, a partir da proposta mistagógica". Aliás, mistagogia, palavra que ainda soa estranha, aos ouvidos da maioria das pessoas, sempre fez parte da prática da espiritual cotidiana da Vida religiosa Consagrada, porque é uma evocação e um apelo de mergulho ao mistério .

terça-feira, 31 de março de 2015

PÁSCOA - A ressurreição acontece pela nossa Rede de Vida

Com alegria e renovada esperança na força do amor solidário que promove e ressuscita a vida, compartilhamos a mensagem da coordenação, desejando a todas e todos uma FELIZ E ABENÇOADA PÁSCOA!

Com ternura nosso abraço!
Equipe de Coordenação Nacional


terça-feira, 24 de março de 2015

V Simpósio Internacional para o Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas - CNJ

CNJ realiza o V Simpósio Internacional para o Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas
O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) realizará, nos dias 16 e 17 de abril, em Fortaleza/CE, a quinta edição do Simpósio Internacional para o Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. O evento será na sede do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região (TRT7), parceiro na iniciativa. O objetivo é discutir temas específicos entre os agentes que lidam com o problema e reforçar sua capacitação e aperfeiçoamento profissional.
As inscrições estarão abertas a partir desta sexta-feira (13/3), até 8 de abril. Serão oferecidas 200 vagas para o evento, sendo 80 para magistrados dos Tribunais Regionais Federais, Tribunais Regionais do Trabalho e Tribunais de Justiça dos Estados e do Distrito Federal e Territórios e 120 para membros do Ministério Público, representantes do Ministério da Justiça, Advogados Públicos (Defensoria Pública da União, Estados, Advocacia Geral da União), Auditores Fiscais do Trabalho, Polícias Judiciária e Administrativa, Secretarias de Educação e da Saúde e Rede de Atendimento às Vítimas.
A coordenação geral do simpósio está a cargo do conselheiro do CNJ Guilherme Calmon. A coordenação científica, por sua vez, é do juiz de direito Rinaldo Aparecido Barros, do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO).
Os participantes do evento receberão certificado emitido pelo CNJ em parceria com a Escola Judicial do TRT7.

Divulgação CNJ

Projeto “Vez e Voz” abre vagas - Enfrentamento ao tráfico de pessoas no Distrito Federal e entorno

Compartilhamos o informe do Projeto “Vez e Voz”, que está com vagas abertas para novas/os extensionistas. Estudantes de quaisquer cursos podem se inscrever para atuação voluntária.

O Projeto tem atuado desde 2013 no enfrentamento ao tráfico de pessoas no Distrito Federal e entorno, em um viés preventivo e a partir de um conhecimento popular e feminista. Atualmente, realiza oficinas sobre temas correlatos ao tráfico de pessoas em escolas públicas da cidade de Águas Lindas de Goiás – local que possui altos índices de pessoas traficadas, tanto em casos de tráfico interno, quanto externo.

Também trabalha com incidência político-jurídica no processo de construção de políticas públicas distritais e estaduais para enfrentamento ao tráfico de pessoas, como por exemplo, na criação de um Plano Distrital de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas.

A formação para nov@s participantes inclui duas capacitações: uma dia 10 de maio e outra dia 7 de junho. Para participar ou para obter mais informações, basta enviar um e-mail para vezevozdfgo@gmail.com. 

Documentário "TRÁFICO HUMANO - DESPERTE PARA ESSA REALIDADE".

A escravidão foi abolida oficialmente há mais de 100 anos, mas segundo dados da ONU milhões de pessoas ainda são traficadas e submetidas ao trabalho forçado, exploração sexual e remoção de órgãos. Diante desta realidade, o presente documentário trata da temática fazendo uma abordagem especial ao tráfico de mulheres para fins de exploração sexual. Além de fomentar a necessidade de intensificação das campanhas de prevenção para que haja uma maior efetividade no combate a este crime. 

Saiba mais sobre a Rede de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas

Logo
Sendo o tráfico de pessoas um crime complexo e transnacional, para que haja um efetivo enfrentamento a esse crime, torna-se fundamental o processo de articulação, descentralização e participação de todos os segmentos da sociedade, de forma a estabelecer um pacto federativo entre os distintos poderes e níveis de governo, em parceria com a sociedade civil organizada, institutos de pesquisa e organismos internacionais.  A esse conjunto instituições e atores envolvidos no processo denomina-se, de forma genérica, Rede de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. 

Compondo a Rede de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, destaca-se a atuação da Rede de Núcleos de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas e Postos Avançados de Atendimento Humanizado ao Migrante, bem como dos Comitês Estaduais de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. Essas instituições, de acordo com suas respectivas atribuições, são responsáveis por materializar os princípios da Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas nos estados e municípios. Leia: Carta da Rede de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas e Postos Avançados de Atendimento Humanizado ao Migrante.

domingo, 22 de março de 2015

Rede Um Grito Pela Vida - Regional Amazonas/Roraima planejando as atividades de 2015

O Núcleo de Manaus reuniu-se no dia 11.03 para a avaliar o Encontro Internacional de Formação - O Grito que vem da Amazônia, concluir a planejamento das atividades de 2015 e distribuir as representações nos espaços de controle social e politicas públicas. Houve também a acolhida das novas integrantes do núcleo. O núcleo assumiu seguir investindo força no trabalho preventivo com as atividades nas escolas e comunidades, somando força nas mobilizações e ações de intervenção social e politica junto as entidades e órgãos públicos. E investir com firmeza e determinação na reivindicação em prol da construção do plano estadual de Enfrentamento ao trafico de pessoas no AM. Reafirmou também a dinâmica de formação continuada das integrantes do núcleo com estudo semanal.


sexta-feira, 20 de março de 2015

10 anos de Martírio de Ir. Dorothy Stang - Nuvens de Testemunhas

Bom dia amigas (os): 
compartilhamos o vídeo da Verbo filmes sobre a Via Sacra com motivo dos 10 anos de martírio de Ir. Dorothy Stang.


Grande abraço e que a memória dessas "nuvens de testemunhas" animem e fortaleçam a nossa caminhada.

Ir. Manuela

segunda-feira, 16 de março de 2015

CELEBRAÇÃO DOS/AS MÁRTIRES DA CAMINHADA


No dia 28 de Fevereiro, em memória dos 10 anos de martírio de Ir. Dorothy Stang (Congregação de Nossa Senhora de Notre Dame), participaram de uma via sacra Irmãs Manuela e Marilda (Oblatas do Santíssimo Redentor) e da Rede um Grito pela Vida – Núcleo SP, junto com Ir. Alice Duarte (ICM). Também compartilharam este celebração Irmãs Sirley e Ir. Josefina, também OSR. Aconteceu no Arsenal da Esperança “Dom Luciano Mendes de Almeida”, bairro de Mooca SP.

Segunda Estação - Tráfico de Pessoas - Representação Rede Um Grito pela Vida

Esta celebração teve como intuito fazer um resgate histórico da dimensão do martírio na Igreja, nesta época que se fala muito pouco dessas pessoas de ontem e de hoje, anônimas ou não, que entregaram sua vida pela causa do Reino.

Esta foi uma iniciativa do grupo JUPIC (Justiça, Paz e Integridade da Criação e Comunidades Religiosas Inseridas). A Rede um Grito pela Vida participou da celebração, no contexto de um trabalho em parceria com o JUPIC, fazendo a segunda estação onde foi apresentada a realidade gritante do Tráfico Humano, dessas pessoas também martirizadas, sobretudo de mulheres, crianças e adolescentes para a exploração sexual.


Outros grupos trouxeram a realidade das/os migrantes, da mãe terra, dos povos indígenas, entre outras. Contemplamos ao Mártir Jesus Crucificado e ameaçado na sua vida nessas realidades. Foi um momento orante de muita profundidade, a expressão de cristãos e cristãos que acreditam ainda numa outra sociedade sem corrupção, sem exploração, sem injustiça onde reina a igualdade de direitos para todos e todas.

Por isso experimentamos que uma tocha de esperança se acende com muito brilho e vida nova ressuscitada. É o compromisso de muitos grupos e pessoas, além dos/as presentes, que estão fazendo a diferença, lutando com coragem, ousadia e muita fé no primeiro mártir Jesus, por essa nova sociedade.



Foi uma expressão de junção de militância com a fé. Ir. Dorothy, tombada um 12 de fevereiro de 2005 pelos fazendeiros de Anapu (Estado do Pará) por sua luta pela terra, nos deu seu exemplo que se reflete em suas palavras: Estou ameaçada de morte pelos fazendeiros e invasores da a terraTem a coragem de ameaçar-me e de exigir mi expulsão  de Anapu. Somente porque eu clamo por justiça.”[1] Tenho que estar com estas pessoas…Se elas são  significativas en mi vida, quero dar minha vida.[2]  Isso testemunha que sempre sustentara sua vida numa força espiritual, numa força maior, na força de Deus. “Todos/as nos conhecemos o movimento de Deus na vida da Ir. Dorothy diz uma irmã de sua comunidade.”.[3]


Nesta celebração, sentimos o apelo de Deus a continuarmos seguindo o mártir Jesus nas pegadas de Ir. Dorothy e de outros grupos de pessoas: migrantes, indígenas, em situação de tráfico humano e no martírio de nossa mãe terra que geme com dores de parto, diante do maltrato permanente de seus habitantes, sobretudo, dos que vem só nela uma fonte de lucros volumosos para aumentar o capital.

Renovamos mais uma vez o compromisso de continuar levantando a bandeira da luta pela VIDA como “vidas pela vida e vidas pelo Reino.”[4]


Ir. Manuela Rodríguez Piñeres(Oblatas do Santíssimo Redentor) 
Rede Um Grito pela Vida- SP



[1]LE BRETON, Binka(2008) “A dádiva maior”, a vida e a morte corajosa de Ir.  Dorothy Stang, pág. 202, Editora Globo, São Paulo, Brasil.
2 pág. 211
3 pág. 202
[3] Idem, pág. 204
[4] CD de Zé Vicente

sábado, 14 de março de 2015

I Encontro Internacional da Região Norte do Brasil.

Encontro Internacional de Formação - 04 a 08.03.2015

O GRITO PELA VIDA QUE VEM DA AMAZÔNIA – NÃO AO TRÁFICO DE 
Objetivo: Fortalecer a atuação em rede, capacitar e formar lideranças para o enfrentamento ao tráfico de pessoas, desenvolvendo práticas pedagógicas e construindo propostas de políticas públicas para a prevenção do tráfico na Amazônia.

sábado, 28 de fevereiro de 2015

Região Norte do Brasil realiza o I Encontro Internacional de Formação.

Encontro Internacional de Formação - 04 a 08.03.2015
O GRITO PELA VIDA QUE VEM DA AMAZÔNIA 
 NÃO AO TRÁFICO DE PESSOA

OBJETIVO

Fortalecer a atuação em rede, capacitar e formar lideranças para o enfrentamento ao tráfico de pessoas, desenvolvendo práticas pedagógicas e construindo propostas de políticas públicas para a prevenção do tráfico na Amazônia.


PROGRAMAÇÃO


DIA 3 de março
Chegada, acolhida e credenciamento.

DIA 4 de março
Coordenação: Rede Núcleo Manaus. (Sandra Loyo e Nilda Nair)
·         07h. Café da manhã.
·         08h.  Mística de abertura e apresentação. Circularidade da mandala. (Rede - Manaus).
·         Fala de abertura. Dom Mário Antônio, Pe. Cleverton Márcio Araújo da Silva, Coordenador da CRB Regional Amazonas/Roriama, Ir. Roselei Bertoldo, Articuladora da Rede Um Grito Pela Vida, Amazonas/Roraima,  Ir. Eurides Alves de Oliveira, Coordenadora Nacional da Rede Um Grito Pela Vida. Ir. Gabriela Botani, Rede Internacional Talita Kun.
·         Teatro –  Cia. de Dança Arte Sem Fronteiras. Wilson
·         10h. Apresentação (10 minutos) para cada estado: trazer elementos da realidade de tráfico de pessoas destacando 3 desafios a serem partilhado (Estado do Brasil – Amazonas, Pará, Rondônia, Acre, Roraima, Amapá, Tocantins, Maranhão. Países: Perú, Colômbia, Suriname, Guiana Inglesa, Guiana Francesa e Venezuela, CPT Nacional, Fei Xavier Plassat,  Comissão Justiça e Paz, Ir. Henriqueta.
·         12:30h almoço.
·         14:30h Análise de conjuntura atual da Amazônia legal (destacando a questão econômica, sociopolítica e gênero) - (Prof. Doutora Márcia Maria de Oliveira)
·         16h Intervalo
·         16:30h Dimensão econômica na fronteira amazônica. (Maria Madalena Ferreira)
·         17:40h Por proximidade ressonâncias, 3 pontos para os grupos colocarem na rede
·         18:00h socialização das ressonâncias - Eurides ajudará o grupa a tecer os fios...
·         18:30h  jantar
·         20h Partilha das experiências significativas dos países. (Peru, Suriname)
·         Benção de encerramento do dia.

DIA 5 de março

Coordenação Ir. Gabriela  e Núcleo de Porto Velho.
·         06:30h café da manhã
·         07:30h mística (Belém, Suriname)
·         08h Dinâmica: Construção do Mapa das rotas do tráfico de pessoas. Sobre o mapa serão colocados marcadores (Setas) para escrever para onde são levadas as pessoas traficadas (origem e destino) construindo as rotas. (Chamas) para identificar pontos de exploração sexual, (por exemplo – garimpos, portos, etc..) em cada região.
·         08:30h Leitura do tráfico de pessoas na Amazônia, suas forças estruturantes, suas dinâmicas concretas, quanto da política nacional de enfrentamento e a importante discussão conceitual. (Marcel Hazeu – ONG Só Direitos - Belém)
·         10:30h Intervalo para o lanche
·         10:45h continuidade.
·         11:30h cochicho por proximidade e ressonâncias. O que queremos que não se perca na caminhada - memória. (Destacar um elemento em cada grupo para tecer a rede).
·         12:30h almoço
·         14h Partilha das experiências significativas de enfrentamento ao tráfico de pessoas.
o   Pará: Ir. Henriqueta - CJP, acompanhamento as vítimas e denúncias do tráfico de pessoas.
Ir. Rosa Maria: (Rede Um Grito pela Vida): Pastoral nos portos e trabalho preventivo com grupos de mulheres indígenas.
o   Perú: Ciceron: Partilha do trabalho preventivo sobre o tráfico de pessoas na educação formal.
o   Manaus: Ir. Rose - Rede Um Grito Pela Vida. Articulação e parcerias. Ações de intervenção social.
o   Prof. Vereador Bibiano – Criação da Frente Parlamentar de prevenção e enfrentamento ao TP.
15:30h Intervalo 20 min
o   Tabatinga: Isalene Thiene enfrentamento ao tráfico de pessoas nas fronteiras.
o   Porto Velho: Madalena Formação de Multiplicadores – Curso de extensão UNIR.
o   Frei Xavier Plassat- CPT. Campanha: Fique de olho em não virar escravos.
e    Talitha Kum internacionalidade - E. Gabriela.

·         Fechamento do dia Ir. Gabriela –Porto Velho, tessitura dos fios da rede do dia.
·         20h Noite: partilhas de outras iniciativas internacionais (Colômbia, Guinas.)
·         Benção de encerramento do dia.


DIA 6 de março

Coordenação Eurides e Núcleo de Belém.
·         06:30h café da manhã
·          07: 30h místico (Rondônia, Acre, Peru - Mãe de Deus)
·         08h Um olhar externo: Diagnostico dos organismos previstos no I e II PNETP na Região Amazônica, desafios e perspectivas, informações e propostas de ações para os estados onde há e aonde não há NETP ou PAHM. (Heloisa Greco Alves -  Coordenadora Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas - do Ministério da Justiça.
·         10h – trabalho em grupo: Um olhar interno: Diagnóstico de potencialidades e desafios no enfrentamento ao tráfico de pessoas na Região Norte. Resultado do trabalho de grupo são perguntas e propostas a serem apresentadas em um diálogo conclusivo com Eloisa Greco Alves.
·         10:40h debate com Eloisa Greco Alves -  modera Ir. Eurides.
·         12:30h almoço
·         14h Expressão corporal para motivar o compromisso de enfrentamento ao tráfico de pessoas. (Alan e Fatima Cunha)
·         14:30h Fala das três responsáveis para as oficinas para as propostas de políticas públicas para o enfrentamento ao tráfico de pessoas na região norte:
Ir. Henriqueta Cavalcante, Comissão Justiça e Paz, para o eixo da Prevenção, (Elementos para a construção de propostas e formulação de políticas públicas no enfrentamento ao tráfico de pessoas, no eixo da prevenção).
Graça Prola da SEAS- AM para o eixo da assistência às vítimas, (Políticas públicas existentes para o enfrentamento ao tráfico de pessoas, elementos para a construção de propostas e formulação de novas políticas públicas, no eixo da assistência as vítimas da violência do tráfico)
Letícia Botelho para o eixo da responsabilização. (Legislação de responsabilização ao tráfico de pessoas).
·         16h Intervalo para o lanche
·         16:15h divisão dos grupos para os trabalhos das oficinas as três responsáveis.
Grupo I Ir. Henriqueta Cavalcante para o eixo da Prevenção,
Grupo II Graça Prola da SEAS AM para o eixo da assistência às vítimas,
Grupo III Letícia Botelho para o eixo da responsabilização.

·         19:00 jantar
·         Leitura dos resultados das oficinas. (Perguntas de esclarecimentos)
·         Benção de encerramento do dia.

DIA 7 de março

Coordenação Márcia e Madalena.

·         06:30h café da manhã.
·         07:30h mística (Roraima e Venezuela)
·         08h Mesa da circularidade com os seguintes temas – coordenadora Professora Doutora Márcia Oliveira. Cada um tem 30 minutos.
o   Tráfico de pessoas para fins de Exploração sexual e questão de gênero na Amazônia.   (Prof. Doutora Iraildes Caldas - Manaus)
o   Exploração laboral no campo, na cidade (Frei Xavier Plassat – CPT Tocantins).
o   Novos fluxos migratórios (Professora, Doutora Frances Rodrigues UFRR).

·         10:30h lanche
·          10: 45h debate
·         11:45h cochicho por proximidade para definir os pontos que queremos amarrar e dar continuidade na tessitura da Rede.
·         12:30h Almoço
·         14h Memória dos nós amarrado na rede e das propostas de políticas públicas. (Equipe de coordenação) Encaminhamento para o trabalho de grupo com a finalidade de dar encaminhamentos para propostas.
o    Fortalecer e promover o trabalho em rede, ente os Estados e Países;
o   Desenvolver propostas concretas para políticas públicas e atividades voltadas a uma efetiva prevenção do tráfico de pessoas na Amazônia.

·         Noite Cultural com jantar regional
·         Grupo de animação (Salesianos e convidados)

DIA 8 de março

Coordenação (Sandra Loyo e Eurides)

·         07h café da manhã
·         08h Plenária para conclusão e os encaminhamentos e propostas
·         Carta conclusiva do encontro.
·         Avaliação
·          Entrega do certificado.
·         Celebração eucarística conclusiva
·         Encerramento com almoço.

14:30 passeio pela cidade com quem estiver.


“... o tráfico de pessoas representa a escravidão de nossa época, a mercantilização da vida. O tráfico de pessoas desvela a ambiguidade e a violência de um modelo econômico de desenvolvimento que, em nome do lucro, considera tudo, inclusive as pessoas, como mercadoria” (Gabriela Bottani)