terça-feira, 18 de novembro de 2014

Tráfico de Pessoas - Atividade Ignóbil


Sete pessoas acusadas de tráfico internacional de pessoas foram condenadas pela Justiça mineira


Somente nos dez primeiros meses de 2006, os réus, em conjunto, já tinham enviado cerca de 40 travestis para prostituição na Europa. Eram cobrados de cada um, em média, 10 mil euros pelas passagens, hospedagem e alimentação, além do uso dos pontos de prostituição. Para que não retornassem ao Brasil sem pagar o que deviam, as vítimas tinham os passaportes retidos. Os contratos assinados antes da viagem chegavam a incluir bens da família como garantia. Houve um caso em que, não conseguindo pagar a dívida com suas atividades no exterior, o aliciado teve que vender a casa de sua mãe ao retornar ao Brasil.

Luciano Garcia, Maria José Ferreira Matos, Vilmar Rodrigues Cardoso, Elvis Osório, Aurora Osório Araújo, Wesley Rodrigues Pereira e Marcelo Carrijo foram condenados pela Justiça mineira por tráfico internacional de pessoas e prostituição, eles receberam penas que vão de 7 a 19 anos e 6 meses de prisão.
Segundo o Ministério Público Federal (MPF), os réus levavam travestis para se prostituírem em países da Europa. A atuação do grupo criminoso começou a ser desvendada a partir de denúncias, pela Polícia Federal de Uberlândia, no Triângulo Mineiro, sobre o aliciamento de travestis na região do Triângulo e Alto Paranaíba.

As investigações resultaram, no dia 18 de outubro de 2006, na realização da Operação Caraxupé pela Polícia Federal (PF), quando foram cumpridos mandados de busca e apreensão e dez pessoas foram presas nos estados de Minas Gerais, São Paulo e Santa Catarina. A PF, na ocasião, descobriu que se tratavam de três grupos distintos que cometiam o crime.
Na sentença, o magistrado responsável pela sentença afirmou que existem provas quanto à relação de amizade entre os réus, mas cada grupo com sua “organização distinta para o exercício de seus negócios escusos, ilegais e imorais”. Levantamento apontou que somente nos dez primeiros meses de 2006, os réus, em conjunto, já tinham enviado cerca de 40 travestis para prostituição na Europa.

De acordo com o MPF, os líderes de cada grupo, que também eram travestis, recrutavam as vítimas em todo o Brasil, por indicações e pela internet, enviando-as para a Itália e Espanha. Para não despertar suspeitas, os travestis desembarcavam em Lugano ou Zurique, na Suíça, em Amsterdã, na Holanda, ou em Paris, na França, onde a fiscalização é menor e eles corriam menos risco de serem pegos pelas autoridades locais.

Eram cobrados de cada um, em média, 10 mil euros pelas passagens, hospedagem e alimentação, além do uso dos pontos de prostituição. Para que não retornassem ao Brasil sem pagar o que deviam, as vítimas tinham os passaportes retidos. Os contratos assinados antes da viagem chegavam a incluir bens da família como garantia. Houve um caso em que, não conseguindo pagar a dívida com suas atividades no exterior, o aliciado teve que vender a casa de sua mãe ao retornar ao Brasil. Ao serem presos, os acusados possuíam diversos documentos que comprovavam as práticas criminosas: fotografias, contratos, extratos bancários, passaportes e passagens para o exterior em nome das vítimas.

Ainda segundo o MPF, um dos grupos era chefiado por Luciano Garcia, codinome Luciana Garcia, que enviava travestis e transexuais para prostituição na Espanha. Luciana contava com o auxílio de Maria José Ferreira Matos, chamada de Zélia, cabeleireira da rua Augusta, na capital paulista, responsável pelo aliciamento de novas vítimas. O segundo grupo era chefiado por Vilmar Rodrigues, codinome Pamela, que recrutava, transportava e fornecia alojamento a diversas pessoas, principalmente travestis e transexuais, em sua residência. Em outubro de 2006, quando foi preso, viviam em sua “pensão” ao menos 16 travestis vindo de diversas partes do Brasil, com todas as despesas de transporte custeadas por Vilmar, todos à espera do embarque para a Itália.

Segundo as investigações do MPF, Vilmar Rodrigues, que era conhecido pela violência com que tratava as vítimas que não lhe pagassem pelo uso dos locais de prostituição e pela hospedagem, era dono de vários pontos de prostituição em Uberlândia. Ele cobrava cerca de R$ 80,00 por semana para que os travestis pudessem utilizar os locais. Assim, enquanto aguardavam o embarque, eles eram obrigados a se prostituírem, numa espécie de “estágio obrigatório”.

Elvis Osório de Araújo, a Lorraine, liderava o terceiro grupo. Ele era auxiliado por sua mãe, Aurora Osório, e pelos demais acusados, Marcelo Carrijo e Wesley Rodrigues, codinome Isadora. Ao contrário de Luciano e Vilmar, que atuavam apenas com travestis, Elvis também traficava mulheres para o exterior, principalmente para a Itália, onde comandava cerca de dez pontos de prostituição. Ele possuía inclusive uma casa em Milão, que era usada para abrigar aliciados.

Relatório da Situação da População Mundial do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) mostra que o tráfico de pessoas é a terceira atividade ilícita mais lucrativa do mundo, perdendo apenas para o tráfico de drogas e de armas. O número de vítimas, entre homens e mulheres, chega a 2,5 milhões.
Fonte: O Tempo

Rede Um Grito pela Vida em apoio à Walk Free

CONSTRUTORAS, PAREM DE ESCRAVIZAR OPERÁRIOS

PARA: ANGLO AMERICAN, BROOKFIELD, EMCCAMP, MRV, OAS E RACIONAL


Você sabia que há hoje no mundo em torno de 35,8 milhões de pessoas vivendo sob alguma forma de escravidão contemporânea? 

Hoje a Fundação Walk Free lança o Relatório Mundial da Escravidão 2014 (Global Slavery Index 2014)1, no qual é apresentado um ranking de 167 países, de acordo com o número estimado de pessoas em situação de escravidão.

Para o Brasil, o Relatório Mundial da Escravidão 2014 estima que 155,300 pessoas estão submetidas a alguma forma de escravidão. Em 2013, pela primeira vez, o número de pessoas resgatadas da escravidão no Brasil foi maior na área urbana do que no campo. A construção civil teve papel decisivo nesta mudança de cenário2.

No último ano, a fiscalização flagrou trabalho escravo em obras da Anglo American, Brookfield, Emccamp, OAS, MRV e Racional3. São necessárias medidas concretas por parte das empresas para acabar com a escravidão nos canteiros de obras. Como forma de prevenir novos casos de escravidão, pedimos que Anglo American, Brookfield, Emccamp, OAS, MRV e Racional assumam compromissos para garantir condições mínimas de dignidade, segurança e vida para os trabalhadores.

Ajude a pressionar estas empresas a assumirem tais compromissos. Se ainda não participou da campanha, ASSINE agora o abaixo-assinado e/ou espalhe a mensagem em baixo entre seus amigos.

Desde já, agradecemos sua colaboração.

Rede Um Grito pela Vida em apoio à Walk Free

Acesse: http://campaigns.walkfree.org/petitions/construtoras-parem-de-escravizar-operarios/?utm_source=Subscribers&utm_medium=email&utm_campaign=construtoras-parem-de-escravizar-operarios&utm_content=Civil-Construction_TAF_Chaser_pt-BR_Brazil_17Nov14&source=Civil-Construction_TAF_Chaser_pt-BR_Brazil_17Nov14&preferred_locale=pt-BR

Ação da Rede Um Grito pela Vida em Porto Velho


No dia 4 de novembro de 2014 aconteceu Ação da Rede Um Grito pela Vida, núcleo de Porto Velho, na Universidade Federal de Rondônia (UNIR). Uma equipe de jovens organizou uma mesa informativa e de sensibilização sobre o tráfico de pessoas. O interesse dos estudantes foi bom! 

(Ir. Gabriella Bottani)


Dados da UNODC


quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Ir. Estrella Castalone, FMA, se despede da coordenção da Rede Talitha Kum e segue para outra missão


A Rede Um Grito pela Vida agradece Ir. Estrella Castalone, FMA que coordenou Talitha Kum, a rede internacional da vida consagrada comprometida com o enfrentamento do tráfico de pessoas desde o final do ano de 2010. Ir. Estrella deixa a coordenação de Talitha Kum no final de outubro. Talitha Kum é um conjunto de redes que atualmente reune 23 redes presentes em 76 países nos 5 continentes.

Em sua carta de despedida ir. Estrella escreve para todas as integrantes das Redes membros de Talitha Kum: 

"Trabalhar com vocês em Talitha Kum tem sido uma experiência muito enriquecedora para mim. Além da tarefa de coordenação da rede, foi um desafio manter o ritmo do ardor apostólico,  audácia, criatividade, ousadia e coragem desta rede, na realização de nossa missão comum de acabar com o tráfico de pessoas, como religiosas/os impulsionadas pelo amor de Cristo.  Vosso testemunho empurrou meu coração pastoral em direção a horizontes mais amplos; vendo vossa dedicação e empenho senti-me desafiada a oferecer o melhor de mim. Muito obrigada por enriquecer a minha vida! Sinto-me privilegiada de conhecer todas/as vocês e fazer parte de vossa vida.  Para o que nós compartilhamos e vivemos juntas em Talitha Kum, convido todas a juntar-se ao canto do «Magnificat», com a nossa Mãe Santíssima, e para o que está à nossa frente, vamos renovar o nosso "FIAT"!"

A Rede Um Grito pela Vida se une a este canto, de maravilha, pois Deus fez de verdade grandes coisas conosco, para que a VIDA continue LIVRE e DIGNA para todas e para todos! 


com Deus Ir. Estrella, para sua nova missão!

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

1º ENCONTRO de Capacitação para multiplicadores da Rede um Grito pela Vida com enfoque na Relação de Gênero - BH

Queridas Irmãs e Caros Irmãos,

Quando ouvimos falar de tráfico, pensamos logo no comércio ilegal de drogas ou armas. Tráfico de pessoas soa estranho. Parece até uma expressão do tempo do Brasil colônia, que não faz mais sentido. Mas, assim como a escravidão, é uma prática que infelizmente ainda existe. E é forte! O tráfico de pessoas é o segundo mais lucrativo do mundo, só perde justamente para o de drogas e de armas. A cada ano, esse crime movimenta cerca de 32 bilhões de dólares e faz pelo menos um milhão de novas vítimas.


Precisamos unir ainda mais nossas forças para lutarmos em favor da vida. Portanto, nós da Rede Um Grito Pela Vida, estamos convidando você, minha Irmã, meu Irmão, consagrada/o, religiosa/o, leiga/o para o 1º ENCONTRO de Capacitação para multiplicadores da Rede um Grito pela Vida com enfoque na Relação de Gênero.

- DIAS 22 e 23 de novembro de 2014.
- INICIO às 8h do dia 22 e TÉRMINO às 13h do dia 23
- LOCAL DO ENCONTRO: Casa das Irmãs Sacramentinas de Nossa Senhora - Dom Cabral (acesso ao portão 10 da PUC). Rua Madre Beatriz Frambach, 84. Tel.: (31) 3375-7076.

    ASSESSORIA: Anália Belisa Ribeiro
(Psicóloga Especialista em Direitos Humanos e Proteção a Testemunhas pela UFRJ, Scotland Yard e Polícia Montada do Canadá, pós-graduanda do Núcleo DIVERSITAS/USP. Assessora do Gabinete Civil do Governo de São Paulo/APESP. Consultora do Instituto Winrock International, Instituto latino Americano de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos (ILADH). Ex-coordenadora do Programa Nacional de Proteção a Testemunhas (PROVITA). Ex-coordenadora do Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas de São Paulo e ex-presidente do Comitê de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas do Estado de São Paulo).

   TAXA DE INSCRIÇÃO: R$ 40,00 (quarenta reais) a ser pago na sede da CRB pessoalmente ou pelo  depósito ou transferência identificado e certifique-se de que o valor corresponda à conta exata. Em FAVOR de: Conferência dos Religiosos do Brasil – CNPJ: 33.460.940/0012-75 ou envie o comprovante bancário e a ficha de inscrição por fax: (31) 3224-3605, correio, ou preferencialmente por e-mail: contabil@crbminas.org.br para que se possa identificar a inscrição e emitir o recibo correspondente.

    VAGAS – Serão oferecidas 50 vagas.
  HOSPEDAGEM – Patrocinada com a ajuda do Projeto feito ao Fundo Nacional de Solidariedade da CF 2014.
Mais informações: 
 gritopelavida@gmail.com
CRB MINAS - Regional Belo Horizonte
Rua São Paulo, 818, 7º Andar - Belo Horizonte - Tel (31) 3222 3082


FICHA DE INSCRIÇÃO
Obs.: Inscrições até dia 17 de novembro de 2014

Copie e cole esses dados no seu e-mail e envie ao e-mail indicado junto com o comprovante, conforme informado acima. Ou preencha manualmente e leve até a sede da CRB Minas/Belo Horizonte.

NOME: ________________________________________________________________
CONGREGAÇÃO, PARÓQUIA, IGREJA, MOVIMENTO OU GRUPO:
_____________________________________________________
________________________________________________________________

ENDEREÇO:
________________________________________________________________ NO  ______________ BO  _____________
CEP: ______________________  CIDADE: _________________________________ UF ______ TELEFONE: (       ) 

E-MAIL: ________________________________________________________________ (Letra MAIÚSCULA)

DADOS PARA RECIBO

RAZÃO SOCIAL: ___________________________________________________________________________________________________________________

ENDEREÇO:________________________________________________________________ NO  ________ BO  ___________________

CEP: __________CIDADE: _________________________________________ UF ____ CNPJ ________________________________

Prepárame la cena que regreso pronto

Prepárame la Cena é um tema musical da banda Calle 13. Eles fizeram um videoclipe para gerar consciência sobre o tráfico de pessoas e a exploração. Um vídeo tocante, que fala da realidade de muitas pessoas que têm suas vidas roubadas. Elas sobrevivem, mas não têm vida. 

sábado, 18 de outubro de 2014

Rede Um Grito pela Vida avalia ações da Campanha Jogue a Favor da Vida

Nos dias 17 e 18 de outubro de 2014, a Coordenação da Rede Um Grito Pela Vida Nacional e as referenciais dos regionais estiveram reunidas em Brasilia para avaliar as ações da Campanha Jogue a Favor da Vida.

Durante dois dias foram compartilhadas as ações realizadas pelos regionais, coordenação, também esteve presente uma representante da Rede kaway que trouxe a avaliação das ações realizadas na America latina e America Central.





quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Rede Um Grito Pela Vida - Regional Recife, promove encontro de formação sobre TRÁFICO HUMANO.

ENCONTRO DE FORMAÇÃO DA REDE UM GRITO PELA VIDA

A compra e a venda de mulheres, jovens e crianças para exploração sexual é a forma atual mais comum de escravidão. Seres humanos são comprados e vendidos, oprimidos e requisitados para exploração sexual, retirada de órgãos e tecidos, servidão doméstica e trabalho escravo e adoção irregulares. Não podemos ficar indiferentes diante da ação criminosa do Tráfico de Pessoas.
NÃO FECHE OS OLHOS !!!!

Venha participar do Encontro de Formação oferecido pela Rede Um Grito Pela Vida, a se realizar no período de 17 a 19 de outubro próximo, na Casa de Encontro das Irmãs da Sagrada Família na Praia Formosa em Cabedelo - PB. A hospedagem a partir da tarde do dia 17/10 e o término com o almoço do dia 19/10 e alimentação será por conta da CRB. As passagens por conta dos participantes.
INFORMAÇÕES
Programação do Encontro:
Dia 17/10/2014 – sexta-feira
15h00min – Credenciamento
18h00min - Início do Encontro com o Jantar
19h15min – Acolhida, Oração de Abertura, Apresentação dos Participantes – Núcleo de João Pessoa.
20h00min – Rede Um Grito pela Vida – Ir. Vera RSF – Coordenadora da Rede Um Grito pela Vida do Regional Recife.
 Dia 18/10/2014 – sábado
07h00min – Café da Manhã
08h00min – Oração – Núcleo de Maceió
08h30min – Palestra – Assessor: Deputado Luis Couto
10h00min às 10h30min – Intervalo (lanche)
10h30min às 12h00min – Debate
12h00min - Almoço
14h00min – Palestra – Assessor: Professor Sven Peteke – UFPB
15h30min às 16h00min – Intervalo (lanche)
16h00min às 17h30min – Debate
18h00min – Jantar
20h00min – Confraternização – Lual à Beira Mar – Praia Formosa com Seresta e Ciranda.
Dia 19/10/2014 – domingo
07h00min – Café da Manhã
08h00min – Oração – Coordenação da Rede – Regional Recife ou Missa????
09h00min – Lanche
09h20min às 12h00min – Encaminhamentos e Avaliação
12h00min – Envio - Coordenação da Rede – Regional Recife
12h30min - Almoço
Como Chegar ao local do Evento:

Tomar o ônibus para João Pessoa (Empresa Progresso), descer na rodoviária, procurar a parada do ônibus Cabedelo: Tomar o Ônibus Cabedelo Direto, descer no monumento do Padre Cícero, seguir pela beira mar (à esquerda), na lateral da casa está escrito: Irmãs da Sagrada Família. Qualquer dúvida eis o telefone de lá: (83) 3228-4476.
Vindo de carro - Br. 230 (Transamazônica) para Cabedelo centro -  Após passar a entrada para o ferry boat, entrar na primeira rua a direita depois do MERCADINHO JONAS e seguir em frente à casa fica à beira mar (tem o nome Irmãs da Sagrada Família no muro).
Observação:
Confirme a participação até 15 de outubro, através dos telefones (81) 9759-0401 / 8621-1185 / 9115-8895 (Fátima Evangelista – Articuladora da Rede ou enviando a confirmação para e-mail redeumgritopelavida.pernambuco@gmail.com a fim de que possamos tomar as necessárias providências para uma proveitosa participação no encontro.

As vagas estão assim oferecidas:

Todos os membros da coordenação da Rede (Regional)+Convidados.
15
Núcleo CRB Caruaru
01
Núcleo CRB Pesqueira
01
Núcleo CRB Petrolina
01
Núcleo CRB Nazaré da Mata
01
Núcleo CRB Palmares
01
Núcleo CRB Floresta
01
Núcleo CRB Salgueiro
01
Núcleo CRB Afogados da Ingazeira
01
Núcleo CRB Recife
01
Núcleo CRB Garanhuns
01
Núcleo CRB Maceió (Coordenação)
02
Núcleo CRB Palmeira dos Índios
01
Núcleo CRB Penedo
01
Núcleo CRB Natal (coordenação)
02
Núcleo CRB Mossoró
01
Núcleo CRB Caicó
01
Núcleo CRB João Pessoa (coordenação + Núcleos do interior do Estado e Convidados) - ANFITRIÃO
15
Esperançosos aguardamos sua presença comprometida e participativa,
Ir. Vera Bezerra – RSF

Coordenadora da Rede

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Acontece em Teresina - Seminário Tráfico Humano


Testemunho: a Vida Religiosa Consagrada em ação contra o tráfico de pessoas





























































































Por Roselei Bertoldo *
 
13 / Out / 2014 08:19

A “Rede Um Grito pela Vida” é um espaço de articulação e ação contra o tráfico de pessoas. Constituída por aproximadamente 150 religiosos e religiosas de diversos Regionais e Congregações, desde 2006 é parte constitutiva da Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB) Nacional. Atua nas diversas localidades, estados e municípios do Brasil, e integra a “Talitha Kum - Rede Internacional da Vida Religiosa Consagrada contra o Tráfico de Pessoas”.
Na CRB Regional Manaus - Roraima, a “Rede Um Grito pela Vida” é constituída por nove irmãs de sete congregações, lideranças comunitárias e de pastoral, Cáritas Arquidiocesana de Manaus e Equipe Itinerante da CRB. O grupo se reúne semanalmente para estudos e aprofundamentos da temática do tráfico de pessoas na Região, faz planejamentos e articula-se para executar ações preventivas de enfrentamento.

A experiência missionária da Rede é como aquela das parteiras do Egito (Ex 1, 15-17). Elas usam uma estratégia que, no silêncio e nas relações corpo-a-corpo, defendem e promovem a vida. Nossas ações concretas visam, principalmente, sensibilizar as pessoas sobre a temática do tráfico, dando visibilidade a este crime na região amazônica.
Nos encontros de sensibilização e formação, as vítimas passam falar a reconhecer a violência sofrida. É o caso da jovem M., do município de Iranduba, que relatou ter sido abusada sexualmente na infância e explorada sexualmente na adolescência. Pela rede de aliciamento para tráfico interno de pessoas e exploração sexual, M. foi explorada por 10 anos em Manaus e Manacapuru, antes de conseguir sair do esquema da exploração, que cerceou sua juventude. Hoje M. carrega um fardo pesado demais, uma tortura que continua: “nunca vou me livrar destas feridas profundas, que me ferem até hoje”.
Outras jovens, adultas e idosas encontradas durante quatro anos de atuação da “Rede Um Grito pela Vida”, em Manaus, relatam histórias de vida marcadas pela exploração. A grande maioria, como a história de M., tem seu começo no círculo familiar e em sua comunidade de origem, e continua com a exploração sexual e laboral em outros estados, até em outros países como as Guianas, a Venezuela e o Suriname.
O que mantém viva nossa espiritualidade missionária e a relação com Deus é o compromisso na construção de redes de proteção, no encontro e na solidariedade com todas as pessoas que são feridas em sua dignidade. A paixão pelo Reino de Deus passa pela paixão pela vida, pelos corpos feridos, imagem e semelhança de Jesus Cristo, colocadas em nosso caminho. Nosso grito é pela vida!
* Irmã Roselei Bertoldo, ICM, articuladora da “Rede Um Grito pela Vida”, Regional da CRB Manaus e Roraima. (Publicado no Livrinho da Novena Missionária 2014, p. 16 - 17).
Fonte: http://www.pom.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=3515%3Atestemunho-a-vida-religiosa-consagrada-em-acao-contra-o-trafico-de-pessoas&catid=60%3Atestemunhos&Itemid=88