Mais notícias

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Jornada Mundial de Oração e Reflexão contra o Tráfico de Pessoas 2017

No dia 8 de fevereiro, dia de Santa Bakhita (padroeira das pessoas sequestradas e escravizadas), realiza-se a Jornada Mundial de Oração e Reflexão contra o Tráfico de Pessoas. Em 2017, a campanha apresenta um novo elemento. Além da proposta de oração e reflexão, convida-nos a focar um aspecto específico do vasto e complexo mundo do tráfico de seres humanos: o tráfico de crianças meninos/meninas e adolescentes. 

Memória litúrgica de Santa Bakhita



Convidamos a todas/os a participar, do modo que for possível, divulgando em suas comunidades locais, cidades e redes sociais, chamando mais multiplicadores para agregar a esta campanha.

Se você estiver em Roma, poderá ver os eventos propostos para a semana, que se iniciam no dia 1º de fevereiro e vão até o dia 8 de fevereiro de 2017. Saiba mais

Rezemos e informemo-nos contra o fenômeno generalizado do Tráfico de crianças e adolescentes. No site preghieracontrotratta.org você pode encontrar todas as informações e materiais.


COMO PARTICIPAR?

- Organize uma oração: download do texto.

- Entre em contato com a imprensa para sensibilizar a opinião pública:


- Pendure o cartaz na sua comunidade e/ou paróquia.

- Informe-se sobre o fenômeno do tráfico de pessoas para se tornar um/a agente de sensibilização.

- Use a hashtag #saocriancasnaoescravas para compartilhar informações e convidar para esta Jornada Mundial de Oração.
Jogue a favor da Vida!

Para saber mais sobre esta Jornada estabelecida pelo Papa Francisco, acesse: Jornada de Oração contra o tráfico de pessoas 2015



Giornata Mondiale di Preghiera e 
Riflessione Contro la Tratta di Persone
Sono bambini! Non Schiavi!

They are just children! Not slaves!

São crianças, não escravas/os!

Rede Um Grito pela Vida
gritopelavida@gmail.com
facebook: @redegritopelavida

 Talitha Kum UISG-USG 
Piazza di Ponte Sant'Angelo, 28 - 00186 Roma

sábado, 24 de dezembro de 2016

POR UM NATAL DE PAZ E ESPERANÇA


NOTA PÚBLICA DE REPÚDIO À DECISÃO DO JUIZ DE DIREITO FÁBIO LOPES ALFAIA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA COMARCA DE COARI


COMITÊ ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL 
CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES – CEVSCA/AMAZONAS

O Comitê Estadual de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes do Amazonas que tem como competência avaliar, acompanhar e subsidiar a execução do Plano Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, vem manifestar repúdio à decisão do Juiz de Direito Fábio Lopes Alfaia do Tribunal de Justiça da Comarca de Coari que anulou o processo contra Adail Pinheiro pelos crimes contra a dignidade sexual de crianças e adolescentes, proferido pelo Ministério Estadual (MPE/AM).


Na decisão, publicada, na última sexta-feira (16), no Diário Oficial do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), no Caderno do Interior do Estado, o magistrado cita, ainda, que rejeita a “peça acusatória em todos os seus termos, extinguindo-se este feito sem resolução do mérito, em vista da ausência de condição da ação na espécie e revogo, por conseguinte, todas as medidas cautelares restritivas aplicadas sobre a pessoa dos réus”.

Deste modo, entendemos que em um Estado Democrático de Direito onde a prevalência dos direitos humanos é princípio constitucional, não há espaço para estímulo e ação dessa prática repulsiva, típica de sociedades e regimes ditatoriais. Esta situação é ainda mais agravosa por se tratar do Direito da Criança e do Adolescente.


O CEVSCA/AM através de toda rede de enfrentamento que o compõe, repudia de forma veemente e intransigente a decisão desse magistrado,e apoiamos com veemência o Ministério Público Estadual (MPE/AM), que não ultrapassou suas prerrogativas no processo que envolve Adail Pinheiro e requer que o Conselho Nacional de Justiça se posicione a respeito da referida decisão e estabeleça as medidas legais cabíveis em relação ao magistrado, ressaltando que em nossa diretriz está o respeito integral aos direitos humanos e o fortalecimento da democracia e justiça social. 


Manaus, 21 de dezembro de 2016. 

Comitê Estadual de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes do Estado do Amazonas/CEVSCA-AM



Assinam:

Frente Parlamentar de Enfrentamento à Violência contra Criança e Adolescente – FRENPAC

Movimento Nacional de Direitos Humanos – MNDH/AM

Rede Um Grito pela Vida

Conselho Regional de Psicologia – CRP20

IACAS

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Rede Um Grito Pela Vida recebe prêmio da Cáritas Brasil

Talitha Kum contra o Tráfico das crianças e adolescentes

Por ocasião do Dia Mundial das Crianças, celebrado no dia 20 de novembro, Talitha Kum assina declaração pelos direitos das crianças que se encontram em situação de migração, reconhecendo e denunciando o risco contínuo relacionado ao tráfico de pessoas. 

"O Dia Mundial de Oração e Reflexão contra o tráfico de pessoas (celebado anualmente no dia 8 de fevereiro) foi constituído pela primeira vez em 2015 e tem como objetivo PARAR: parar um momento, junt@s, para rezar e refletir. Rezar porque acreditamos que nossa ação profética contra o tráfico de pessoas precisa ser sustentada pela espiritualidade. E refletir, pois o fenômeno do tráfico é tão complexo que precisamos, de verdade, tomar tempo para estudar e conhecer melhor esta realidade." (Gabriella Bottani)


Assista o vídeo:


TREINANDO “CAMINHOS DE LIBERDADE” EM PARCERIA COM A ONG CROPH - JOGO REDE PELA VIDA


No dia 24 de novembro, realizou-se uma oficina de treinamento do Jogo Educativo Rede pela Vida - Enfrentamento ao Tráfico de PessoasAs irmãs Cirley Covati (CJ), Eliane Matos (Divina Vontade) e Manuela Rodríguez Piñeres (OSR), que participaram do treinamento do jogo no dia 5 de novembro, multiplicaram a experiência com o pessoal da ONG CROPH - Coordenação Regional das Obras de Promoção Humana, que é um Projeto de promoção para a autonomia de pessoas em situação de rua, da Prefeitura de São Paulo. Ali trabalha Gilson Aurélio dos Reis, que integra o núcleo da Rede Um Grito pela Vida.



Participaram 04 pessoas da Rede um Grito pela Vida e 09 pessoas que estiveram em situação de rua e atualmente moram na ONG, desenvolvendo seu processo de autonomia. A maioria são  mães com seus filhos/as. Também estiveram presentes algumas mulheres migrantes, provindas do país de Angola (África). Três participantes da ONG se retiraram antes de finalizar a oficina, pois tinham que preparar seus filhos/as para que a escola.

Foi um momento bem descontraído e agradável, no qual os/as participantes se empolgaram e se apropriaram da dinâmica do jogo. Inclusive pediram que se repita a experiência.

Neste processo de tecer parcerias, contamos com mais uma entidade que abre as portas para a Rede atingir o objetivo de sensibilizar quanto à realidade do tráfico de pessoas, que sempre nos desafia e impulsiona a ser peças-chave no “jogo” de caminhar para a liberdade, de mãos dadas com os grupos mais vulneráveis.

Por Ir. Manuela Rodríguez Piñeres (OSR)

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

OFICINA DE TREINAMENTO DO JOGO REDE PELA VIDA - ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS

No dia 05 de novembro de 2016, realizou-se a Oficina de Treinamento do jogo REDE PELA VIDA - ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS.

A Congregação de Jesus, representado por Ir. Cirley Covati, abriu as portas para realizarmos este encontro. Também estiveram presentes para jogar pela vida a Ir. Eliane Matos (Congregação da Divina Vontade), Ir. Manuela Rodriguez Piñeres, das Irmãs Oblatas do Santíssimo Redentor, e a a pedagoga Wanderléia Feitosa Rocha.



Graças à parceria com o Instituto Daniel Comboni, da Fazenda da Juta, Zona Leste, Wanderléia facilitou a oficina sobre o treinamento do jogo. 

Foi uma tarde descontraída e as participantes conseguiram atingir o objetivo: compreender e entender o jogo para levá-lo como instrumento de informação e sensibilização nas oficinas com adolescentes.

Outra oficina já está sendo projetada para outra formação. É do interesse de todas as pessoas que estão nesta caminhada ter esse treinamento, pois o Núcleo tem reproduzido 50 jogos, graças ao apoio financeiro da Conferência de Religiosos/as do Brasil (CRB). 


Por Ir. Manuela Rodriguez Piñeres- Núcleo da Rede Um Grito pela Vida SP

SIMPÓSIO “A GRAÇA DO CUIDADO NUM MUNDO SEM COMPAIXÃO”


 As Irmãs Franciscanas de São José celebrarão Jubileu de 150 anos da Fundação da Congregação, comemorado no dia 28 de outubro de 2017. Dentre a programação para este acontecimento Jubilar realizou-se, neste ano de 2016, um Simpósio sob o tema: “A Graça do Cuidado num mundo sem Compaixão”. 

Este evento aconteceu de 20 a 23 de outubro, no espaço muito especial do Hospital de Dermatologia São Roque, em Piraquara/PR, local considerado “muito sagrado” para a Congregação, pois aí se comemoram os 90 anos da chegada das primeiras Irmãs para a missão em terras brasileiras, a fim de dedicarem-se ao cuidado, dos chamados por elas, irmãos/as hansenianos/as. 

Além de vários conferencistas, contou-se também com a presença fraterna e alegre de Dom Francisco Carlos Bach, Bispo da Diocese de São José dos Pinhais – PR, no dia da abertura;  com a participação e compromisso profético de Dom Erwin, bispo do Pará, no dia 21 de outubro e de Dom José Antônio Peruzzo, Arcebispo Metropolitano de Curitiba, na Missa de Encerramento do evento. Foi muito marcante o seu testemunho de vida na homilia desta missa, ao reconhecer publicamente que teve a hanseníase e, sobretudo, como teve que fazer um processo profundo para se despir dos preconceitos que ele considerava não ter.
Foi também uma experiência intercongregacional, na qual houve espaço para compartilhar experiências de “cuidado e de compaixão”.  No dia 21, a Rede Um Grito pela vida teve seu espaço para colocar essa experiência de cuidado e compaixão com pessoas traficadas e migrantes com a participação da referência do Núcleo da Rede de Curitiba, Frei Luís Carlos Batista (Sacerdote Agostiniano) e Pe. Adler (religioso dos Padres Carlistas, do Haiti).
Segue a Conclamação do Simpósio, que encontra-se no facebock e no site da Congregação: www.franciscanasdesaojose.org.br [1]
Esse Simpósio foi para mim uma experiência inédita. Nele transbordou a Misericórdia, o “Cuidado e a Compaixão” feita vida no testemunho das irmãs e dos/as leigos/os Franciscanos/as da Misericórdia durante o Simpósio e na riqueza compartilhada a partir das diferentes frentes de missão, dos momentos de mística e troca de experiências. Percebeu-se ainda, na linha histórica desses 150 anos, uma trajetória que faz a diferença por ter a marca da Boa Nova do Reino expressada em gestos concretos de Misericórdia e Compaixão. Foi uma bênção poder participar deste espaço eclesial, intercongregacional e ecumênico.
Por Ir. Manuela Rodríguez Piñeres(OSR)
Núcleo da Rede Um Grito pela Vida-SP



[1] Alguns Parágrafos foram extraídos da Carta enviada aos/as participantes do Simpósio e do site das Irmãs Franciscanas de São José, também fotos: www.franciscanasdesaojose.org.br

REDE UM GRITO PELA VIDA EM MISSÃO: PÓS-OLIMPÍADA DE PREVENÇÃO AO TRÁFICO


“É missão de todos/as nós, Deus nos chama  e quero ouvir a sua voz...”

A realidade gritante do Tráfico de Pessoas é um apelo constante em nossa vida. É missão de todos/as nós sermos semeadores/as de Vida onde ela está mais ameaçada. A realidade das pessoas migrantes, refugiadas e traficadas, com suas vidas em alto risco de morte, nos interpela a não ficar indiferentes diante dela, como nos alertou em repetidas ocasiões o Papa Francisco.

Na  matéria da Agência Ecclesia do 26.10.2016, referente a uma audiência pública, ele defendeu o fim dos “muros” para as pessoas que se veem forcadas a migrar em procura de melhoras condições de vida, pelas mais diversas situações de exclusão vem sendo produzindas por meio do capitalismo, que se tornou pior logo após a Segunda Guerra Mundial e hoje cria explorações ainda mais sofisticadas. O Papa, mais uma vez, nos deixa um alerta para o Tráfico de pessoas. Ele ainda quebra os muros da indiferença com ações concretas. Na mesma matéria ele firma um compromisso: “O Vaticano acolhe, a partir de hoje, um encontro do Grupo Santa Marta, que inclui representantes da polícia, bispos, religiosas e representantes da sociedade civil,  para um debate sobre a luta contra o tráfico de seres humanos.

Nessa audiência pública “o Papa Francisco falou das duas obras de misericórdia que convidam à solidariedade com “o estrangeiro” e  com“quem está nu”. Ele trouxe à tona o sentido dessa nudez, não só olhando, mas deixando-se tocar pela realidade do tráfico de pessoas e outros meios geradoras dela: ... “A nudez pode significar também a “dignidade perdida”, dando como exemplos “as mulheres vítimas de tráfico, atiradas para a rua”, o uso do “corpo humano como mercadoria”, incluindo o das crianças, a falta de salário “justo” ou a discriminação em função da raça ou da religião”.
Em fidelidade ao chamado de Deus e do Papa Francisco, a Rede Um Grito pela Vida -RUGPV continua sua missão de alertar contra o Tráfico de pessoas nas escolas. Nesse sentido, prosseguiu com o  trabalho que iniciou no mês de agosto na Escola Kennedy, da Vila Formosa, com o grupo de professores/as.
Do dia 04.10.2016 ao dia 14.10.2016, as participantes  do Núcleo da Rede de São Paulo realizaram a grande “Pós-olimpíada”  de prevenção do tráfico com a metodologia de oficinas, utilizando vídeos, a cartilha “Na trilha de Maria”, linguagens artísticas (música, artes plásticas, encenação, entre outras) com o objetivo de sensibilizar alunos/as dessa escola sobre a realidade do abuso sexual infantil e do tráfico de pessoas.
Vale salientar alguns destaques deste processo:
·   A maioria dos/as alunos/as conheciam do tráfico  e do abuso sexual infantil porque lhes contaram ou leram e poucos/as por convites que tiveram. Uma grande parte dos/as que formam o corpo discente da escola, conhecia a realidade do tráfico de pessoas através da novela “Salve Jorge” da Rede Globo (2014);
·    Houve interesse, sobretudo dos/as alunos/as do 6° ano, de levantar questionamentos, aprofundar mais e levar a informação para suas famílias. No dia seguinte, vários/as deles/as se aproximaram para dizer: Eu contei à minha família do que se falou na oficina e me escutaram com muita atenção.” “ Eu pesquisei em vários sites e  encontrei mais informações. Como é bom conhecer e dar-se conta que o tráfico de pessoas não está longe de nós”.
·   A internalização como “algo natural” dos estereótipos do que é masculino e feminino legitima e reproduz a submissão e subordinação  das mulheres e os homens a acreditam que têm  esse poder. Isso ficou bem explícito na análise  e debate a partir de canções de Funk com os 7°, 8° e 9° ano. 
·  Encontramos situações de crianças que manifestaram ter tido convites para serem abusadas; nos grupos para Educação de Jovens e Adultos (EJA) duas pessoas que estiveram em situação de trabalho escravo e condições análogas à escravidão. Uma delas deu o depoimento diante do grupo. Foi um grande impacto ter esta realidade tão próxima.
Ressaltamos que a Rede se comprometeu a fazer um acompanhamento delas.
·   Uma das professoras, ao receber a sensibilização, constatou que uma amiga estava sendo aliciada pelo facebock, repassou dita informação para ela e a mesma desistiu desse relacionamento pela internet.
Em conclusão, é bom dizer que a graça de Deus e o compromisso firme no enfrentamento ao tráfico de pessoas falaram mais alto. Três religiosas, um leigo e dois parceiros/as da Rede conseguiram abranger quase 700 pessoas desta Escola. As famílias ainda serão sensibilizadas. 

A avaliação com o Conselho aconteceu no dia 31.10.2016, no local da Escola. A seguir, alguns dos aspectos mais relevantes:
·         Valorização do trabalho da Rede Um grito pela vida quanto à prevenção ao tráfico e ao abuso sexual infantil;
·   Proposta de dar continuidade ao trabalho formando um grupo de multiplicadores/as. A Escola fará o convite a professores/as, pais e mães de alunos/as. A Rede fará o treinamento;
·      Um tema muito atual que está afetando a vida de muitas crianças, jovens e  adolescentes;
·      Uma mãe presente na reunião colocou que os filhos/as foram contar para ela tudo o que tinha ouvido das irmãs. Diz ainda que algumas coisas eram iguais ao que a mãe dela lhe falava, mas que só agora conseguiu prestar atenção.

 Por Ir. Manuela Rodríguez Piñeres(OSR)- Rede Um Grito pela Vida – SP

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Tráfico, sonhos e prisões


"O tráfico de seres humanos é a terceira maior atividade criminosa do mundo, superada apenas pelo tráfico de armas e drogas. Aproximadamente 83% das vítimas são mulheres, a maioria para fins de exploração sexual, entre 18 e 29 anos, pobres e com baixa escolaridade. Dentre as demais finalidades, estão o trabalho análogo à escravidão, adoção ilegal de crianças e adolescentes – que inclui servidão doméstica – e venda de órgãos. Cerca de 2,4 milhões de pessoas são traficadas porano, mundialmente. A OIT (Organização Internacional do Trabalho) aponta como causas principais a ausência de oportunidades de trabalho; a discriminação de gênero; a instabilidade política, econômica e civil; a violência doméstica; a emigração indocumentada; o turismo sexual; a corrupção de funcionários públicos; as leis deficientes."
Fonte: Pesquisa “Percepção da Sociedade sobre o Tráfico de Mulheres” pela Associação Mulheres pela Paz, projeto apoiado pela Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, do Ministério da Justiça.
Trata-se de uma pesquisa de opinião pública nacional, por amostragem, com execução do Datafolha Instituto de Pesquisa.
Acesse a pesquisa: http://www.mulherespaz.org.br/publicacoes/pesquisa-nacional-inedita-revela-percepcao-e-conhecimento-da-sociedade-sobre-o-trafico-de-mulheres/

Palestra "Tráfico de pessoas: aspectos sociais, jurídicos e pedagógicos" é realizada na FPB com o apoio da Rede Um Grito pela Vida


Ir. Sirleide Cabral de Oliveira apresetando
a Rede Um Grito pela Vida.
O Observatório das Violências, com a parceria da Rede um Grito pela Vida articulada pela Professora Nazaré Pinto, promoveu no dia 31 de outubro, no auditório da Faculdade Internacional da Paraíba, um debate sobre o tema "Tráfico de pessoas: aspectos sociais, jurídicos e pedagógicos".

O evento contou com a assessoria de Ana Célia Silva Menezes – pedagoga e membro do Núcleo da Rede um Grito pela Vida de João Pessoa-PB e teve a participação dos cursos de Serviço Social, Direito e Pedagogia, somando um total de mais de cento e trinta alunos e professores.

Logo após a explanação do tema conduzido por Ana Célia, tivemos espaço para falar sobre o histórico da Rede e apresentar seus objetivos.


Em seguida, foi aberto o debate com perguntas e contribuições enriquecedoras de alunos e professores sobre o tema, além de depoimentos de alguns sobre casos de tráfico de pessoas. 

Este evento foi muito positivo, pois abriu a oportunidade de uma discussão mais ampliada dentro da instituição de ensino sobre o tema, foi o que expressou alguns professores do curso de Serviço Social e Direito. 


Nosso agradecimento à professora Nazaré (integrante do Núcleo da Rede-PB por meio do Observatório das Violências) pela oportunidade e à Instituição por acolher a proposta. Temos muito a desenvolver sobre essa temática com a construção dessas parcerias.

Ir. Sirleide Cabral de Oliveira
Rede um Grito pela Vida - Núcleo de João Pessoa - PB




I Torneio de Futsal da Rede um Grito pela Vida e Movimento Jovem das Irmãs Missionárias da Mãe da Misericórdia

João Pessoa  -  30/10/2016 A Rede Um Grito pela Vida realizou uma atividade inédita para sensibilização: I Torneio de Futsal da Rede um Grito pela Vida e Movimento Jovem das Irmãs Missionárias da Mãe da Misericórdia. Segundo as irmãs articuladoras do evento, foi uma grande vitória em meio a tantos desafios. Mas, a boa vontade da equipe e dos jovens fez com que esse sonho se concretizasse. Foram meses de preparação com reuniões assumidas com responsabilidade e compromisso. Ir. Elisângela – responsável pelo movimento jovem; Creusa e Ir. Luiza, da Rede Um Grito pela Vida se fizeram presentes em toda a articulação, auxiliando na construção desse sonho que visa motivar ainda mais os jovens. Assim, as irmãs decidiram jogar e formaram um time.



O desafio foi lançado aos jovens por Creusa num encontro de formação para ser realizado na época das Olimpíadas. Desafio aceito!

Foi um período rico de formação, tendo como objetivo levar o tema Tráfico de Pessoas a outros jovens que não são do movimento, por meio do esporte. Formaram-se assim oito times, quatro femininos e quatro masculinos. Jogadores/as são de três coumidades diferentes: Santa Rita, Hietel São Tiago e Bayeuk. 





Na semana que antecedia o evento, foram realizados encontros nas três comunidades com os/as atletas para formação sobre tráfico de pessoas, instruções sobre os jogos e a entrega das camisetas. Cada encontro foi assumido por um membro da Rede: Ana Célia, Ir. Luiza, Alan, Creusa, juntamente com Ir. Elisângela. 

Ao chegar o grandioso dia estavam presentes no Renatão Ginásio de Esporte, em Santa Rita, atletas, membros da Rede e do Movimento leigo, das Irmãs da Mãe da Misericórdia e familiares que vieram prestigiar o evento, somando assim mais de 100 participantes. 

Cada time tinha um nome ligado ao tema: Denuncie o Tráfico, Disque 100, Juventude comprometida, Sim à Vida, Vida em Missão, etc. 

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Consulta Pública sobre o Plano Estadual de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes - Amazonas


O Conselho Estadual de Crianças e Adolescentes do Amazonas  (Cedca), vinculado à Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania ( Sejusc ), disponibiliza à população por meio de Consulta Pública,  o Plano Estadual de Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes. A consulta ficará disponível em um prazo de 40 dias a partir da data de publicação (22/08/2016).


Sugestões de alterações, supressões, inclusões e outros devem ser enviados ao e-mail  cedca@seas.am.gov.br com o título “Consulta Pública/Plano Estadual”.

Plano Estadual de Enfrentamento a Violência Sexual de Crianças e Adolescentes

Reunião do Comitê de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas - Formação e Intervenção Social

Avaliamos as ações da Campanha Coração Azul e projetamos outros processos e atividades para a continuidade da luta contra o tráfico de pessoas. A Rede Um Grito pela Vida se reuniu com os parceiros para organizar o Momento Formativo e a Ação de Intervenção Social que realizaremos no dia 23 de setembro, Dia Internacional de Enfrentamento ao Tráfico de Mulheres e Crianças para fins de Exploração Sexual.


III Seminário da Rede da Tríplice Fronteira



O III Seminário da Rede da Tríplice Fronteira foi realizado em setembro e teve como tema os "Procedimentos a serem tomados diante de situações ou indícios de tráfico de pessoas". 


Foram discutidas as situações que cada país pode encontrar, quais os órgãos competentes e encaminhamentos a serem tomados em cada um dos países da Tríplice Fronteira.






Seminário de Capacitação - Tecendo Redes de Vida no Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas/México

A Rede Um Grito pela Vida está presente no Seminário de Capacitação com a VRC do México. Seguimos com o aprofundamento sobre as formas de enfrentamento, desde a prevenção até a atenção às vítimas. Muitas situações e experiências significativas e desafiadoras foram apresentadas. O grupo sente-se a cada dia mais envolvido e disposto a assumir esta missão em rede, como espaço de profecia para a vida Consagrada em nossos dias. (Ir. Eurides Alves de Oliveira - Coordenadora da Rede Um Grito pela Vida)




23 de setembro - Oração e Reflexão para fortalecer a luta contra o tráfico de mulheres e crianças


Aproxima-se  a data de 23 de setembro, dia de luta contra o Tráfico de Mulheres e Crianças para fins de Exploração Sexual. A Rede Um Grito pela Vida sempre se mobiliza com atividades planejadas que marcam este dia/semana, utilizando criativas ações de sensibilização, formação e intervenção social.


Além das ações, este é também um dias para rezarmos em comunidades e grupos pelas pessoas traficadas e pelas organizações que batalham contra este crime.



A Comissão Trata CLAR, através da Rede Kawsay, organizou uma proposta de oração compartilhamos em nosso blog como um subsídio de oração e reflexão que poderá também ser enviado a outros grupos. Unam suas orações em prol desta causa!



Ir. Eurides Alves
Coordenação da Rede

PROPOSTA DE ORAÇÃO TRATA CLAR

Contexto

O Tráfico  de Pessoas é um delito que atenta contra os Direitos Humanos, pois viola e  degrada a essência da pessoa: sua vida, liberdade, integridade e dignidade.

O Tráfico de Pessoas para fins de exploração sexual afeta, sobretudo a  infância e a juventude. Segundo a Organização Internacional para as Migrações – OIM, há dois milhões e meio de crianças e adolescentes/jovens  vítimas deste crime  no mundo,  cujo modo de operar  é majoritariamente pela Internet, mas também por outros meios, como  ofertas  de trabalhos fáceis, a viagem dos sonhos, relacionamentos afetivos (...) ou ainda por meio de ameaças, sequestro ou rapto.

Além da exploração sexual as pessoas são também traficadas para fins de trabalho escravo, tráfico de órgãos, adoção irregular, casamento servil, mendicância e para atividades criminosas ilegais como drogas.

Conforme o  artigo 3º do Protocolo das Nações Unidas para prevenir, reprimir e sancionar o trafico  de pessoas, especialmente de mulheres e crianças, como complementa a Convenção das Nações Unidas contra a Delinquência Organizada Transnacional.
É bem difícil quantificar a escala mundial do tráfico de pessoas, fala-se que anualmente umas 800 mil  pesssoas são traficadas  através das fronteiras internacionais dezenas de  milhares de outras   são também traficadas  dentro das  fronteiras de seus próprios países.
A demanda de mão de obra barata, de serviços sexuais e de certas atividades ilícitas  são as causas originarias do trafico  de pessoas. A falta de oportunidades e recursos econômicos, entre outros, são fatores que contribuem para a esta realidade. (https://www.iom.int/es/lucha-contra-la-trata-de-personas).
As  instituições que trabalham pela erradicação do  tráfico de pesosas, com entendem  que é necesario que este día se converta em uma  data de referencia para toda a sociedade.
É um dia para a reflexão e  empenho no enfrentamnto desta realidade criminosa, que se configura  a  escravidäo moderna  de nossos días.
O Convite é para todas as comunidades a permanecerem unidas em ORACÄO, rezar pela defesa da vida e dos direitos das pessoas afetadas pelo tráfico de pessoas, com fins de exploração laboral e sexual. Bem como, entrar em comunhão com as pessoas que estão sendo torturadas nesta forma de escravidão.

Neste dia, vamos acender a esperança na promessa de Jesus: de que uma nova vida é possível.

 Se necessita pessoas capazes de viver em solidariedade e justiça este compromisso, a maneira de Jesus que veio para “anunciar a libertação aos cativos… e pôr em liberdade os oprimidos…” (cf Lc 4,18)

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Núcleo de Rio Branco articula parcerias e sensibiliza nas fronteiras de Peru, Bolívia e Brasil

O núcleo da Rede Um Grito pela Vida de Rio Branco – AC vem desenvolvendo algumas atividades de articulação, sensibilização e informação nas fronteiras Brasiléia (Acre) / Cobija (Bolívia), Assis Brasil (Acre) e Iñapari (Peru), com o objetivo de enfrentar o Tráfico de Pessoas e no futuro vir a criar  núcleos naquelas realidades. 

No dia 09 de setembro (2016), realizamos uma reunião com representantes da Bolívia e Brasileia, com o objetivo de apresentar a Rede um Grito pela Vida e conversar a respeito do tráfico de pessoas através dessa fronteira. O grupo achou boa a proposta e definimos que o próximo encontro será em outubro.

Brasileia
Já no sábado, dia 10 de setembro, realizamos um encontro da Rede com pessoas do Brasil (Assis Brasil) e Peru (Iñapari), que foi organizado pelo grupo do Peru. Fomos enriquecidos pelo trabalho que vem sendo realizado neste país, assim como também compartilhamos inquietações e experiências. Tivemos a oportunidade de ir ao “Assentamento Novo Iñapari” e compartilhamos com eles os dois anos de vivências em que estão neste local e as reivindicações e lutas por melhoria de vida. Finalizamos o encontro dialogando a respeito dos passos que foram dados desde a nossa primeira reunião em junho deste ano.

Rede em Iñapari
No dia 11 de setembro, foi oferecida a possibilidade de apresentar a Rede e o trabalho que estamos realizando ao final da Celebração Eucarística na paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro (Assis Brasil). O Pároco, membro da Rede, introduziu este momento fazendo memória à resposta da paróquia ao desafio migratório dos haitianos e senegaleses, salientando que essa não é mais a situação que clama na fronteira, porém, uma outra realidade eleva sua voz e é preciso ouvi-la.
Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro (Assis Brasil)

Tri Fronteira


Tri Fronteira
Já no dia 12 de setembro, participamos do I Encontro Tríplice Fronteira realizado pelo “Centro de Emergencia Mujer” de la sub prefectura de Tahuamano. Participaram diversas instituições governamentais do Peru, a veeduria ciudaduna de Puerto Maldonado, a pastoral da mobilidade humana de La Paz (Bolívia); representantes da paróquia de Cobija e a Rede Um Grito pela Vida de Rio Branco e Assis Brasil.

Neste  encontro foi exposta a situação do tráfico de pessoas no Peru, o caminho que eles vem realizando neste combate e o desafio que enfrentam diante de uma sentença tomada por um juiz de Lima liberando o traficante da penalização do crime. Em seguida, as diversas instituições e pastorais presentes compartilharam as ações que vêm realizando.

Finalizamos o encontro escrevendo uma carta de pronunciamento diante do caso acontecido nestes dias no Peru, assim como uma carta repúdio. Também decidimos criar um grupo no WhatsApp com os membros deste encontro para realizar nossas ações de forma articulada.

Foi um encontro rico de partilhas, aprendizados, estímulos e decisões. Acreditamos que um outro mundo é possível com a colaboração de tod@s.


                                   Irmãs Ana Belén Verissimo, 
Isabel do Rocio Kuss e Teresinha Scapin
Núcleo dda Rede Rio Branco